AODISSEIA
Filmes

Critica: A Pequena Loja de Suicidios


2 de maio de 2013 - 05:11 - Flávio Pizzol

Uma animação francesa que não possui muitos requintes, mas se sustenta com uma história um tanto quanto interessante.  O filme gira em torno de uma família que possui uma loja de fornecimento de artigos para suicídio (e essa é a loja mais famosa da cidade), ou seja, a família vive da tristeza e da perda da vontade de viver alheia. Porém tudo muda quando a matriarca dá a luz a um filho alegre, diferente de toda a família.

A ideia do filme é muito boa e gira em torno de dados reais, já que o número de suicídios aumenta vertiginosamente no mundo inteiro. Afinal, por que não tirar proveito desses suicídios? Se existe a clientela, existe a loja. Nesse caso, os donos da loja não são tratados como assassinos, eles só ajudam as pessoas que já estão decididas a escolherem a forma da morte.

O roteiro é rápido, inteligente e recheado de um humor negro afiado e em diversos momentos incomoda pela maneira desleixada e engraçada como trata a morte. Inclusive, no início, o incômodo fica do lado errado.  O clima do filme é tão mórbido e triste desde a primeira cena que a alegria do recém-nascido incomoda.

O filme, composto por músicas durante quase toda a duração, passa por uma reviravolta com o nascimento da criança, já que a alegria da mesma contradiz toda a tristeza que gera o lucro da loja. E as músicas, que no inicio eram muito melancólicas, passam a ser um pouco otimistas. Ainda assim, o filme possui cenas musicais perturbadoras, onde os suicidas cantam os motivos que levaram a sua decisão.

O final é um pouco óbvio, mas não tira os méritos do filme, que não é perfeito. A história sofre um pouco com uma mudança de tema no final. Eu admito que esperava um pouco mais do plano do Alain e que isso afetasse a família de uma maneira diferente.

O filme, que possui um estilo que me lembrou os filmes do Tim Burton, merece ser apreciado pela criatividade e inteligência usada para abordar um tema sério. E isso gera uma animação surpreendente e perturbadora, porém muito bela.

“Só se morre uma vez. Então, que seja um momento inesquecível.”

OBS 1: Fiquem atentos as propagandas da loja. Elas são geniais.