Dave Grohl e a aposta que salvou sua vida na música

, Especial

Período no Nirvana, decepções e reconstrução musical.


Há diversos modos de analisar a trajetória de Dave Grohl até sua atual banda (Foo Fighters). Sua jogada de mestre o tornou um dos músicos de maior referência do mundo. Para muitos, ele estava perdido. Para ele, estava apenas calculando o próximo passo que iria dar. Desde muito novo, Dave tocava bateria em algumas bandas e foi numa de suas apresentações que viu o Nirvana tocando pela primeira vez. Participou de uma banda insolvente que logo tem fim e foi aí que decidiu colocar seus planos em ação. Bastou apenas uma ligação para que os integrantes do Nirvana notassem que Grohl era o baterista que estavam esperando. A banda Nirvana explodiu e é lembrada até hoje pelos fãs que fez e ainda faz. Em 1994 com a morte de seu melhor amigo e vocalista da banda (Kurt Cobain) o grupo anunciou a separação posteriormente levando ao término.

Até hoje Dave não consegue cantar as músicas do Nirvana, porque todas lembram Kurt, (Parceiro que tinha enorme admiração e que tirou sua própria vida). Embora tenha se passado muitos anos, a memória de Kurt se faz presente. Segundo Dave, é angustiante escutar hoje os álbuns do Nirvana que antes escutava sem parar quando Kurt ainda estava vivo. Foi graças a essa imensa perda que Dave considerou deixar a música, porém, mais tarde resolveu gravar suas composições que desenvolveu quando ainda fazia parte do Nirvana. Mostrou a fita para uns amigos, interessou algumas gravadoras e logo, para tocar suas músicas ao vivo e divulgar o trabalho, decidiu montar uma banda completa e foi assim que surgiu o Foo Fighters, a banda que salvou a vida musical de Dave.

Foi palestrante de honra no festival SXSW 2013, nos EUA, e emocionou a plateia.

Foo Fighters tem esse nome devido a uma referência ao termo “Foo Fighter”, usado por aviadores na Segunda Guerra Mundial para descrever fenômenos aéreos misteriosos, considerados OVNIs. O perfeccionismo do músico com certeza ajudou a levá-lo ao pedestal que ocupa hoje. Colhe e oferta simpatia por onde passa e mesmo após traumas e decepções, Dave apostou em si mesmo e surpreendeu a todos com seu talento vocal, pouco revelado no período que passou no Nirvana.

Podemos concluir fazendo uma análise eficiente e rápida; nem sempre uma aposta alta significa sucesso, mas com certeza uma aposta bem calculada, estruturando projetos feitos por um perfeccionista como Dave, seria o certo, e foi. Valeu a pena ter guardado todas as canções de autoria própria em substituição de doar para o Nirvana. Foi uma jogada de mestre gravá-las, o sucesso foi certeiro e o Foo Fighters reergueu sua vida musical. Um ex integrante da banda Nirvana, com uma bagagem de referências e experiências criando sua própria banda onde comanda o vocal e a guitarra, com músicas autorais escritas quando Kurt ainda estava vivo? Músicas exclusivas jamais divulgadas? Sem dúvidas um belo investimento para as gravadoras que rapidamente se aprontaram para fechar contrato com Dave.

Dave se reinventou e soube sonhar para realizar suas ambições. Construiu do zero uma banda incrível que incontestavelmente é uma das bandas de Rock mais bem sucedidas do mundo. Segundo ele, “Encontrar sua própria voz”, é a chave-vital para seguir adiante. E foi exatamente isso que ele fez, seguiu, para frente, sempre em frente.

Fecho esta matéria citando uma frase da psicóloga Cinthia Cruz “Talvez o nosso propósito não tenha nada a ver com o que fazemos hoje para viver. Talvez o nosso propósito seja realmente descobrir de forma autêntica quem realmente somos”  Dave encontrou seu propósito. E você? Tem o seu?

Foo Fighters atualmente coleciona 11 álbuns e 4 EP’S. A banda continua ativa e conquistando mais fãs cada dia mais. Parabéns ao Dave pela inteligência musical, superação e por nos proporcionar músicas excelentes recheadas de letras maravilhosas.


 

Deixe uma resposta