Oppenheimer: A verdadeira história por trás do filme de Christopher Nolan

Oppenheimer: A verdadeira história por trás do filme de Christopher Nolan 3

O tão aguardado blockbuster de Christopher Nolan, Oppenheimer, chegou aos cinemas e guarda uma incrível história real de um personagem importante para a humanidade.


O filme, estrelado pelo ator irlandês Cillian Murphy no papel titular, promete contar a história do cientista americano J. Robert Oppenheimer e seu papel no desenvolvimento da bomba atômica.

O filme é parcialmente baseado na biografia vencedora do Prêmio Pulitzer de 2005, “American Prometheus: The Triumph and Tragedy of J. Robert Oppenheimer“, escrita por Kai Bird e Martin J. Sherwin ao longo de 25 anos.

“Celebrado em 1945 como o ‘pai da bomba atômica’, nove anos depois ele se tornaria a principal vítima da fúria mccarthista”, diz o artigo para o The New York Times.

“Oppenheimer” é o primeiro filme a abordar o cientista e seu legado, que foi manchado por uma controversa audiência em 1954 que resultou na revogação de sua autorização de segurança.

Quem foi Robert Oppenheimer?
Foto: AP

Quem foi J. Robert Oppenheimer?

Oppenheimer nasceu em uma família judia alemã abastada na cidade de Nova York. A coleção de arte de sua família incluía obras originais de Pablo Picasso e Vincent van Gogh.

Desde cedo, ficou evidente que a capacidade acadêmica de Oppenheimer superava a de seus colegas, e ele ingressou na Universidade Harvard aos 18 anos, onde se formou summa cum laude (com os maiores elogios) em apenas três anos.

No entanto, ele enfrentou problemas de saúde mental. Durante seu tempo na faculdade, expressou pensamentos suicidas e, enquanto cursava pós-graduação na Universidade de Cambridge, deixou deliberadamente uma maçã envenenada com produtos químicos de laboratório na mesa de seu tutor.

Com o início da Segunda Guerra Mundial, Oppenheimer se transformou em um respeitado professor da Universidade da Califórnia em Berkeley e já havia feito inúmeras e significativas contribuições para a ciência.

Durante seu tempo em Berkeley, ele se apaixonou por Jean Tatlock (interpretada por Florence Pugh em “Oppenheimer”), filha de um professor de literatura de Berkeley e estudante da Escola de Medicina da Universidade de Stanford. Ela era membro do Partido Comunista, o que mais tarde se tornou uma questão em suas audiências de autorização de segurança.

Eles terminaram o relacionamento em 1939 e, um ano depois, ele se casou com Katherine (“Kitty”) Puening, com quem teve dois filhos.

Durante o casamento, Oppenheimer reacendeu seu relacionamento com Tatlock e os dois tiveram um caso. Ela cometeu suicídio em 1944.


Confira também: Oppenheimer – Crítica | A linha tênue entre a teoria e a prática

Oppenheimer: A verdadeira história por trás do filme de Christopher Nolan 4
Foto: Divulgação

O Projeto Manhattan

Em 1941, dois meses antes dos Estados Unidos entrarem na Segunda Guerra Mundial, o presidente Franklin D. Roosevelt aprovou um programa para desenvolver uma bomba atômica.

Um ano depois, Oppenheimer foi recrutado pelo Comitê de Pesquisa de Defesa Nacional para pesquisar a construção de uma bomba atômica.

Em setembro, o General Leslie Groves (interpretado por Matt Damon no filme) assumiu o comando do Projeto Manhattan (nomeado por conta da localização dos seus escritórios inaugurais no sul de Manhattan) e escolheu Oppenheimer para chefiar o laboratório de armas secretas do projeto.

Por três anos, Oppenheimer e uma grande equipe de cientistas trabalharam para a criação de uma bomba atômica em um laboratório militar em Los Alamos, Novo México.

Seu trabalho culminou na primeira detonação nuclear da história, conhecida como teste Trinity, em 16 de julho de 1945. Em uma entrevista realizada anos depois, Oppenheimer afirmou que uma linha da escritura hindu, o Bhagavad Gita, veio à sua mente durante a detonação:

“Agora me tornei a Morte, o destruidor de mundos”.

Um mês depois, duas das bombas desenvolvidas pelo Projeto Manhattan foram lançadas sobre Nagasaki e Hiroshima, matando aproximadamente 200.000 pessoas, a maioria delas civis.

Em 15 de agosto, o imperador Hirohito anunciou a rendição do Japão.


Confira também: Barbie – Crítica | Carta aberta ao feminismo

Oppenheimer: A verdadeira história por trás do filme de Christopher Nolan 5
Foto: Divulgação Universal Pictures

A audiência de segurança

Após o sucesso do projeto, Oppenheimer continuou a atuar como consultor de armas nucleares para o governo dos Estados Unidos; no entanto, ele alertou sobre suas devastadoras capacidades.

Em um discurso de 1953, ele comparou as capacidades nucleares dos Estados Unidos e da União Soviética a “dois escorpiões em uma garrafa, cada um capaz de matar o outro, mas apenas com o risco de sua própria vida”.

Em dezembro daquele ano, durante a Segunda Onda Vermelha nos Estados Unidos, o presidente da Comissão de Energia Atômica (CEA), Lewis Strauss (interpretado por Robert Downey Jr. no filme de Nolan), informou a Oppenheimer que sua autorização de segurança ultrassecreta havia sido revogada e insistiu em sua renúncia.

No entanto, o cientista recusou e insistiu em se defender em uma audiência de segurança altamente divulgada, que ele perdeu em meio a humilhação pública.

Numerosas fontes sugeriram que Oppenheimer nunca se recuperou do incidente.

O New York Times escreveu em seu obituário: “Este homem intrigantemente complexo nunca conseguiu eliminar completamente as dúvidas sobre sua conduta”.

Mais tarde, foram feitas tentativas de reparar a imagem de Oppenheimer – em 1963, o presidente Lyndon B. Johnson presenteou Oppenheimer com o Prêmio Enrico Fermi, a mais alta honraria da CEA.

Como um fumante compulsivo, Oppenheimer morreu de câncer de garganta em sua casa em Princeton em fevereiro de 1967.

Veja o trailer do filme

Total
0
Shares
Previous Post
oppenheimer

Oppenheimer – Crítica | A linha tênue entre a teoria e a prática

Next Post
operação lioness

Operação Lioness | Tudo sobre a série com Nicole Kidman que chega ao Paramount Plus

Related Posts