AODISSEIA
Especial

Top 15: Séries atuais pra hora do “almoço” (Parte 2)

Agora vamos falar sobre séries curtinhas e atuais...


12 de setembro de 2019 - 00:19 - Flávio Pizzol

Sabe aquela dia que sobrou meia hora do horário de almoço e você quer assistir alguma coisa? Ou quando você sentou no ônibus pouco tempo antes de chegar em casa? Muita gente já deve ter passado por situações parecidas e sabe que a única que não pode acontecer é perder a maior parte desse pequeno tempo nos imensos catálogos dos servições de streaming, procurando alguma coisa pra ver.

Pensando nisso, nós vasculhamos os serviços de streaming mais usados no Brasil e preparamos três listas que podem ajudar nessa escolha. A Parte 1 (que pode ser acessada aqui) reuniu algumas séries clássicas – para não dizer velhas – que fizeram algum sucesso antes dos seus respectivos encerramentos, apresentando várias opções para os nostálgicos de plantão. Agora chegou a hora de preencher o almoço dos espectadores mais modernos, listando algumas séries que ainda estão sendo exibidas ou foram encerradas há pouquíssimo tempo.

OBS 1: Essa lista não tem ordem de preferência…

OBS 2: As séries apresentadas estão disponíveis nos serviços citados no momento da publicação desse texto, porém qualquer exemplar pode ser retirado ou “trocar de casa” como o passar do tempo.


1) Brooklyn Nine-Nine (Disponível na Netflix)

Todo habitante do planeta Terra escutou alguém falar sobre Brooklyn Nine-Nine, principalmente do cancelamento/salvamento relâmpago no ano passado. No entanto, a legião de fãs da comédia policial tem muito motivos para gostar da série e indicá-la com tanto fervor. É um programa original e engraçado que tira sarro dos clichês policiais com personagens incríveis, um casal de protagonistas apaixonantes, inúmeras referências a cultura pop e um talento incrível para falar sobre temas atuais (incluindo homossexualidade, machismo e outros…) com aquela leveza que o horário de almoço merece.

Confira aqui uma lista com os melhores momentos da série.

2) The Good Place (Disponível na Netflix)

Sob a tutela dos mesmos responsáveis por Brooklyn Nine-Nine, The Good Place é facilmente uma das séries de comédia mais inovadoras dos últimos anos. Uma conquista facilitada por uma premissa cheia de potencial, atuações carismáticas, humor afiado, personagens cheios de camada e reviravoltas que realmente pegam o público desprevenido (algo bastante incomum no formato). É verdade que a fórmula apresentou sinais de desgaste no terceiro ano, mas a boa notícia é que a quarta temporada chega com a promessa de um encerramento digno.

3) Modern Family (Disponível na Globoplay)

Uma das  maiores audiências da televisão americana, Modern Family acompanha justamente a vida dessa família moderna que reúne vários tipos de pessoas sem restrições ou censuras. Ou seja, o palco perfeito para falar sobre amor, relacionamentos, diversidade, preconceito, xenofobia, machismo e divórcio sem perder a piada ou o apelo emocional. Uma dica que, considerado a proximidade da temporada final, merece uma maratona durante o almoço.

4) The Big Bang Theory (Disponível na Globoplay)

Mais um clássico exemplar de sitcom que acompanha a convivência de um grupo de amigos, The Big Bang Theory conta com o diferencial de apresentar personagens majoritariamente nerds ou geeks. Não sei se isso foi o suficiente para transformá-la em uma das séries mais vistas da televisão americana até o seu encerramento em maio desse ano, mas posso garantir que os personagens bizarros e as situações contrastantes vão te divertir e, principalmente, te conduzir até uma conclusão muito honesta.

OBS: Apesar de falar sobre o assunto, a série não é exatamente um grande exemplar de produto nerd. Mesmo assim, vale a indicação.

Confira nosso texto sobre a última temporada aqui.

5) One Day at a Time (Disponível na Netflix)

Mais um exemplar que foi cancelado e, posteriormente, salvo graças a uma campanha de fãs na internet, One Day at a Time é uma série engraçada, honesta e muito necessária sobre uma família de imigrantes cubanos que vivem nos Estados Unidos. Em outras palavras: uma obra que fala sobre diversos temas atuais (de diversidade até política) com medidas iguais de acidez e leveza para cumprir sua proposta de divertir de maneira inteligente. Uma indicação certeira e necessária pro seu almoço.

Confira nossa crítica da última temporada (aqui) e uma lista com os quinze melhores episódios (aqui).

6) Special (Disponível na Netflix)

A série mais curta dessa lista, Special possui (por enquanto) apenas 8 episódios com menos de 20 minutos. Uma jornada curta, porém muito incrível, pela vida do jornalista Ryan O’Connell. Ele é um jovem gay cujo o principal tabu não está na sexualidade, e sim na convivência com a paralisia cerebral. Isso o coloca em uma sequência de situações divertidas e comoventes, enquanto tenta sair de casa, lidar com discussões atuais e assumir o controle da sua própria vida.

7) Santa Clarita Diet (Disponível na Netflix)

Contando com a premissa mais bizarra e politicamente incorreta dessa lista, essa série, estrelada pela sempre ótima Drew Barrymore, acompanha a “vida” de uma mulher que virou zumbi. Eu sei que pode parecer meio louco, totalmente estranho e até inassistível, mas posso garantir que Santa Clarita Diet precisa de poucos episódios para conquistar quem gosta desse humor mais absurdo com boas doses de sangue, situações que habitam fora de qualquer zona de conforto e uma dinâmica familiar surtada.

OBS: Só assista durante o almoço, caso tenha estômago forte.

Confira nossa crítica da terceira temporada aqui.

8) O Método Kominsky (Disponível na Netflix)

Produzida pelo mesmo criador de The Big Bang Theory e Two and a Half Men, essa série – que poderia muito bem ser classificada como a versão masculina da veterana Grace & Frankie – acompanha dois idosos solitários convivendo com o luto, a solidão, a própria velhice e uma porção de consequências ligadas ao passado. Uma surpresa nas premiações do ano passado que merece uma chance tanto pela mistura básica entre comédia e drama, quanto por seu elenco estrelar.

9) Unbreakable Kimmy Schmidt (Disponível na Netflix)

Criada e conduzida pelos geniais Tina Fey e Robert Carlock, Unbreakable Kimmy Schmidt conquista o público cm sua premissa inusitada, seu elenco que dispensa comentários (incluindo Jon Hamm) e seu humor injeta acidez na pegada clássica de sitcom. O resultado é quase um estudo sociológico – extremamente hilário e musical – sobre as reações sensoriais que guiam o ser humano em um mundo marcado por tantas novidades.

10) Grace & Frankie (Disponível na Netflix)

A série original mais longa em exibição da Netflix, Grace & Frankie conta a história de duas mulheres idosas que descobrem que seus respectivos maridos são gays. Seguindo a trilha da união entre os dois antigos sócios, elas também se juntam com o objetivo de aproveitar o melhor da vida, vencendo a solidão, os questionamentos sexuais e todos os outros problemas que podem acompanhar o processo de envelhecimento. Uma dica leve e muito bacana pra sua lista de séries curtinhas que podem ser vistas durante o almoço.

11) Homens? (Disponível no Amazon Prime Video)

Agora estamos falando de uma série que deveria ser considerada quase obrigatória graças a sua habilidade de fazer piadas geniais e discutir as raízes do machismo na sociedade com a mesma intensidade e propriedade. Isso sem contar com o elenco hilário, as situações mirabolantes que surgem com o passar dos episódios e algumas das sacadas visuais mais criativas dos últimos anos. Um projeto nacional que certamente merece sua atenção!

Confira nossa crítica da série criada por Fábio Porchat nesse link

12) Shippados (Disponível na Globoplay)

Última produção criada por Fernanda Young, essa série original da Globoplay que explora a dinâmica dos relacionamentos atuais através de aplicativos, redes sociais e novidades tecnológicas. O resultado dessa espécie de estudo sociológico é um show de personalidades peculiares, atores inspirados e aquele humor ácido (porém super conectado com a realidade) que Young dominava como poucos. E, caso isso não seja o suficiente, tem Tatá Werneck e Eduardo Sterblitch prontos para acompanhar o seu almoço…

Clique aqui e leia nossa crítica completa da primeira temporada.

13) Young Sheldon (Disponível na Globoplay)

Spin-off derivado da já citada The Big Bang Theory, essa série (como o próprio nome deixa claro) nos apresenta a infância do tão amado/odiado Sheldon Cooper. Em outras palavras, é a responsável por nos mostrar tudo que construiu o caráter e a personalidade de um dos maiores sucessos da televisão através de histórias familiares, piadas literais, referências a série original e uma atuação doce do jovem Iain Armitage (Big Little Lies). Uma boa pedida para quem gosta de histórias fofas e uma recomendação necessária pros fãs da versão adulta do cientista.

Confira nossa crítica completa aqui.

14) Silicon Valley (Disponível na HBOGo)

Uma pérola dentro de um canal que não costuma ser reconhecido por seus projetos de comédia, Silicon Valley é uma série nerd (de verdade) que mistura a típica convivência entre amigos com alguns toques de empreendedorismo através dos altos e baixos de uma nova empresa de tecnologia do famoso Vale do Silício. O resultado pode ser um pouco incomum em relação aos formatos que ocuparam a maior parte dessa lista, mas o humor honesto, os personagens levemente estereotipados e os erros imensos que movimentam a trama a colocam aqui com muita propriedade.

Leia a crítica – antiga – da terceira temporada (aqui) e assista Silicon Valley durante seu almoço.

15) Tá no Ar (Disponível na Globoplay)

Encerrada no começo desse ano, Tá no Ar – A TV na TV reúne o absurdo e o exagero em uma paródia da própria programação televisiva, reunindo esquetes que se organizam em forma de zapeamento pra tirar sarro da própria Globo, de canais fechados, das publicidades e até dos serviços de streaming. Tudo que passa na telinha é um possível alvo do humor afiado, atual e extremamente politizado que resultou da parceria entre Marcelo Adnet e Marcius Melhem.

Confira vários textos sobre a série aqui, aqui, aqui ou aqui.