0

The Liberator traduz o drama da guerra em uma animação baseada em fatos reais. 

A Netflix lançou, no Dia dos Veteranos, importante data para a cultura estadunidense, uma série animada em quatro partes chamada The Liberator.

O drama, baseado em um livro homônimo, chama a atenção pelo seu estilo animado e forte teor pungente.

Acontece que muita gente está se perguntando se, de fato, a série The Liberator foi baseada ou ao menos inspirada em fatos reais e fomos buscar essas informações.

Foto: Divulgação Netflix

+++ Os Favoritos de Midas: Tudo sobre a minissérie espanhola com Luis Tosar na Netflix
+++ Dash e Lily | Tudo sobre a nova série de Natal da Netflix

Qual a história de The Liberator?

A série segue um grupo de soldados um tanto quanto desorganizados que, durante a invasão europeia da Segunda Guerra Mundial, acabaram se tornando alguns dos heróis mais inspiradores de seu tempo.

Essa descrição acaba sendo um pouco ambiciosa demais para a série animada da Netflix, mas o que torna The Liberator ainda mais agradável de assistir é a representação baseada em fatos reais da história.

The Liberator é baseado no livro de mesmo nome de Alex KershawThe Liberator: One World War II Soldier’s 500-Day Odyssey. Passado durante a Segunda Guerra Mundial, a série animada e o romance giram em torno do oficial do Exército dos EUA, Felix Sparks.

Sparks fazia parte do 157º Regimento de Infantaria que lutou ao lado das forças aliadas na Itália por mais de 500 dias.

The Liberator é a nova série animada da Netflix

Foto: Divulgação Netflix

Os fatos reais da série The Liberator

Felix L. Sparks era um oficial do Exército dos Estados Unidos. Durante a Segunda Guerra Mundial ele comandou o 3º Batalhão, 157º Regimento de Infantaria. Sua unidade foi uma das primeiras forças aliadas a entrar no campo de concentração de Dachau e libertar seus prisioneiros.

Durante sua carreira histórica, Sparks participou da Operação Husky, a invasão aliada da Sicília; Operação Dragão, a invasão aliada da Provença; a Batalha do Bulge e a Batalha de Aschaffenburg.

Mas The Liberator se concentra na vida de Sparks desde a Operação Husky até a Batalha de Anzio. Um confronto durante a caminhada italiana na Segunda Guerra Mundial, que foi de 22 de janeiro de 1944 a 5 de junho de 1944. Sparks, que era brigadeiro-general na época, é indiscutivelmente o soldado mais importante para o sucesso da Batalha de Anzio.

Ele também foi a única pessoa em sua unidade que sobreviveu à luta.

As inspirações da série 

Em entrevista ao site Smithsonian, o autor do livro, Alex Kershaw, disse que os dois personagens de The Liberator são baseados em várias pessoas do seu livro. “Quando você vê a série, muitas vezes você está olhando para um nativo americano e um mexicano-americano. Você está olhando para uma dimensão racial diferente da Segunda Guerra Mundial”.

A série e o livro destacam o drama verdadeiramente envolvente e poderoso da 45ª Divisão. O general George S. Patton considerava os Thunderbirds “um dos melhores, senão a melhor divisão da história das forças armadas americanas”.

Guy Prestia, juntou-se à Divisão Thunderbird pouco antes de partir em 1943 para o Norte da África, a área de preparação para a invasão da Sicília. O 45º desempenhou um papel importante na campanha como parte do Sétimo Exército de Patton, experimentando uma forte resistência contra a Divisão Hermann Göring, uma força Panzer nazista de elite. Após a conquista da Sicília, Prestia participou dos desembarques em Salerno e Anzio, no continente italiano.

As batalhas sangrentas tiraram a vida de muitos homens da Divisão Thunderbird enquanto eles tentavam avançar para o interior em direção a Roma.

Foto: Divulgação Netflix

Em maio de 1944, um sargento chamado Van Barfoot, sozinho, destruiu três ninhos de metralhadoras e capturou 17 soldados alemães. Mais tarde, naquele mesmo dia, Barfoot revidou um contra-ataque de três tanques Tiger nazistas, destruindo o veículo da frente com uma bazuca. Por esses feitos, ele recebeu a Medalha de Honra do Congresso e também foi comissionado como segundo-tenente.

“Eu não estava longe dele”, lembra Prestia, agora com 98 anos de idade também em entrevista ao Smithsonian.

“Isso foi perto de Carano, na Itália. Barfoot fez muito naquele dia”.

Poucos dias depois, Salvador J. Lara também exibiu uma bravura que lhe rendeu a Medalha de Honra. Lara liderou seu esquadrão de rifles em vários ataques contra fortalezas alemãs, causando um grande número de vítimas. Em um ataque, Lara feriu gravemente sua perna, mas não parou até que o objetivo fosse concluído.

The Liberator está disponível na Netflix

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

Gotham Awards 2020 | Confira os indicados a premiação

Previous article

Rosa e Momo | Tudo sobre retorno triunfal de Sophia Loren na Netflix

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Séries