1

download (2)

O novo episódio da temporada chegou mostrando que o humor veio para ficar e ainda brindou os fãs com mais uma brilhante adaptação de um livro Sir Arthur Conan Doyle. Um episódio, mas que, como sempre, contou com ótimos casos, um visual espetacular e atuações melhores ainda.

O episódio seguiu o casamento de John Watson com Mary Morstan e, mesmo sendo um filler, tirou praticamente todos os seus personagens de sua zona de conforto. A começar por Sherlock, que como padrinho de casamento e melhor amigo de John, teve que fazer um discurso na festa.

Através do discurso de Sherlock, o roteiro usa muitos flashbacks para contar a história de dois outros casos, que vão se interligar e transformar o casamento de John em um possível crime. A ideia de subverter a estrutura da série e tudo o que esperávamos do casamento é inteligente e pega o espectador completamente desprevenido.

A adaptação da história da história original também se mostrou brilhante. Vários elementos do conto “O Signo dos Quatro” foram trazidos para dentro da história. Algumas adaptações são importantes para a resolução do caso e até dão algumas dicas valiosas para o público, outras são simples referências deixadas para os fão mais viciados.

A primeira referência é escancarada. No livro original, Watson pede a mão de uma mulher chamada Mrs. Morstan, que é (adivinhem…) o sobrenome da mulher de John. Também temos a presença do personagem do Major Sholto, que é assassinado por motivos de vingança, assim como no episódio. Algumas referências mais sutis também foram feitas, como a participação de um anão que atira dardos venenosos em um dos casos estranhos relatados por Sherlock em seu discurso.

download (3)

Vamos começar falando do humor. Humor, que como eu disse na review do primeiro episódio, nunca foi um elemento importante e recorrente na série da BBC. Esse novo episódio veio para mostrar que o humor funciona e deve ser mantido no decorrer da série.

O humor marcou presença desde a primeira cena, onde Sherlock aciona Lestrade de maneira preocupante só para falar sobre o discurso, até um dos últimos momentos do episódio, funcionando com perfeição. Tivemos tiradas geniais que brincavam com outros casos, Sherlock e Watson bêbados, entre outras cenas hilárias.

Além do humor, o roteirista Steve Thompson (que já escreveu outros episódios de Sherlock, incluindo a brilhante season finale passada) gasta algum tempo com a amizade de Sherlock e Watson. Ótimos diálogos que formam grandes cenas, como a que Watson convida Sherlock para ser seu padrinho.

download (4)

O discurso feito por Sherlock faz jus a amizade dos dois e reforça algumas características de outros momentos da série. O discurso em si é emocionante (é brilhante a maneira como Sherlock começa falando baboseiras e sendo ele pra só depois surpreender com um momento muito bonito) e depois temos algumas cenas engraçadíssimas e algumas que irritam os presentes de uma maneira que só o detetive sabe fazer.

Os casos também são sensacionais, contando com um que nem Sherlock foi capaz de resolver. Admito que achei a maneira arranjada para interligar os casos meio forçada (porque o assassino teria que testar seu método justo naquele soldado), mas ainda assim a reviravolta funcionou muito bem.

No final ainda temos um ótimo uso do título, que também foi adaptado do conto. O momento onde o detetive deduz “os signos dos três” é simples e muito bonito.

A direção de  Colm McCarthy (outro veterano da BBC) também é muito boa. O visual do momento em que Sherlock conversa com as vítimas por chat é mais do que sensacional, assim como o visual utilizado na cena onde o detetive tenta entender os casos durante o discurso. Essa última cena apresenta uma edição espetacular, acompanhado das recorrentes palavras que vão aparecendo para o público.

Outra ótima cena é a da despedida de solteiro de Watson, que começa nos bares, passa por um jogo entre os dois para depois terminar com ambos tentando resolver um caso completamente bêbados e exaustos. Cena visualmente perfeita e hilária.

Nem sei eu preciso elogiar as atuações dos protagonistas da série. Como sempre, Benedict Cumberbatch e Martin Freeman dão um show. O último continua sendo perfeito em demonstrar seus sentimentos com simples olhares. Observem a cena em que ele se emociona no discurso e na sabe em que descobre a gravidez de Mary.

download (5)

Mas é Benedict Cumberbatch quem toma conta do show. Seu timing cômico está cada vez mais preciso e suas atuações mais fortes. O desespero de Sherlock quando está quase entendendo a junção dos casos é evidente, a sinceridade transmitida nas palavras do discurso e os diálogos com Freeman são alguns destaques desse episódio.

Mas a melhor cena de Cumberbatch a da despedida de solteiro. Uma atuação, afetada, tresloucada e completamente fora de tudo o que o detetive já fez . Cumberbatch entendeu isso e incorporou com perfeição essa nova faceta de Sherlock.

Os outros atores também estiveram muito bem e continuam mostrando toda a sintonia que o elenco de Sherlock tem. O destaque vai para Amanda Abbington (e suas ótimas cenas com Freeman e Cumberbatch), Mark Gatiss (que aparece pouco, mas tem uma importância interessante em uma cena com Sherlock) e Alistair Petrie (como o ótimo Major Sholto).

Um episódio que tem uma história um tanto quanto avulsa, mas que não pode ser desconsiderado, principalmente por ser um bom episódio, mudar a estrutura da história, tirar seus geniais atores da zona de conforto e, acima de tudo, reforçar a história dos dois protagonistas, já que isso pode ser importante no próximo – e último – episódio.

Flavio Pizzol
Nascido em uma galáxia muito distante, sou o construtor original dessa nave. Aquele que chegou aqui quando tudo era mato. Além disso, nas horas vagas, publicitário, crítico de cinema, aprendiz de escritor e músico de fundo de quintal. PS: Não sabe trocar a sua imagem do perfil...

O Mordomo da Casa Branca

Previous article

All is Lost (2013)

Next article

You may also like

1 Comment

  1. […] precisar de prorrogação, quando confirmou a quarta temporada de Sherlock (a terceira está aqui, aqui e aqui). E não foi só isso, já que, além dos habituais três episódios, também teremos um […]

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Séries