AODISSEIA
Filmes

Rocketman, o mundo segundo Elton John

Musical ousado e não convencional de um dos maiores atros da música pop!


29 de maio de 2019 - 14:43 - Tiago Soares

The Sir Elton John é excêntrico. Alguns diriam que o cantor britânico é brega e exagerado e nada mais justo que sua cinebiografia também fosse. Comparado desde cedo com Bohemian Rhapsody,(“o filme do Queen”), a única similaridade com “Rocketman” está na presença do diretor Dexter Flecther, pois tirando isso, o musical nada convencional é um show de imagens e respeito a figura do cantor, além das pessoas à sua volta. Saem personagens caricaturais repletos de frases de efeito, entram pessoas reais com monólogos verdadeiros.

Pra começar, Rocketman é um musical de Elton John, feito para ele e contado por ele. O jeito criativo de apresentar a trama já gruda o espectador mais desatento na poltrona. Se no filme do Queen o ápice foi na apresentação no Live Aid em 1985, aqui o auge se encontra na reabilitação de Elton John – que passou por um momento conturbado de vícios em álcool, drogas e sexo. Ao contar sua história como uma grande terapia em grupo, o filme une realidade (não poupando o espectador das fases ruins e egoístas do cantor) a fantasia, permitindo-se ousar – seja nas escolhas visuais totalmente fora dos padrões (longos planos sequências, câmera lenta e transições absurdas), como nas narrativas – o texto de Lee Hall (“Cavalo de Guerra”) emociona e diverte em medidas balanceadas, nunca perdendo seu foco.

Rocketman musicas

Elton John é uma lenda viva e Rocketman o trata exatamente dessa forma, não o desumanizando em nenhum momento e nem o alçando a posição de um deus. Esse balanço se deve muito a sua construção desde a infância feita pelos talentosos Matthew Illesley e Kit Connor. Desde a época de jovem prodígio, passando pela difícil relação com o pai, o antigo Reggie Dwight encontra conforto na música e com ela cresce (literalmente), numa edição que tem tempo suficiente para que Reggie Dwight vire Elton e consequentemente Taron Egerton. O ator que ficou conhecido como Eggsy de “Kingsman” faz o papel de sua vida, ao interpretar e dar a sua própria voz a trilha sonora que compõe a produção.

Fantasia e realidade se tornam um só em espetáculo visual comandado por Taron Egerton.

O elenco de apoio é igualmente talentoso e está na medida certa, desde a mãe feita por Bryce Dallas Howard, o melhor amigo e parceiro de composições até hoje Bernie Taupin (Jamie Bell) e o empresário e interesse amoroso John Reid (Richard Madden). A fotografia – que permeia os anos 70 e 80, distingue perfeitamente a  Londres fria mas ainda aconchegante, apresentada como o lar de Elton, até a quente Hollywood, abrindo um caminho de possibilidades, mas também de erros e fracassos – um deles o seu casamento com Renate (Celinde Schoenmaker).

Rocketman Elton John

O musical não poupa o espectador de cenas de sexo e consumo de drogas. Elton John era conhecido como um dos mais “animados” em festas repletas de personalidades regadas a orgias e muita cocaína, fazendo de Rocketman um filme bem distante do âmbito familiar. Tamanha veracidade se funde aos números musicais flutuantes de Crocodile Rock, transita pelos figurinos exuberantes de Pinball Wizard, passando por músicas mais lentas e com o viés mais pessoal como Your Song – culminando na canção título do filme – e a escolha não poderia ter sido melhor, pois se trata da sequência mais bonita da produção – meio brega talvez, mas não menos emocionante.

Exuberante, Rocketman não é um filme apenas feito para fãs, mas para formar fãs. As músicas são envolventes e contagiam até mesmo aqueles que não sabem nada sobre o artista. Cores vibrantes contrastam com os traumas de um ser humano que tinha medo de nunca ser amado, mas foi.