AODISSEIA
Especial

Queer Eye e seu sucesso com base na empatia

Muito mais que uma transformação


21 de agosto de 2019 - 09:59 - felipehoffmann

Queer Eye deu uma nova vida aos programas de mudança pessoal, entregando pessoas reais, com problemas reais e soluções que estão bem na nossa frente. 


Reality shows de transformação sempre caíram bem no gosto do público. Nos anos 2000 houve um boom, principalmente na TV paga, desse tipo de programa, cujo o objetivo era deixar a pessoa mais estilosa e bonita, seu guarda roupa, como nos shows “Antes e Depois”, “Esquadrão da Moda” e “Mude meu Look”, ou até mesmo submetendo o participante à cirurgias estéticas, como em “Extreme Makeover” e “The Swan”.

 

Queer Eye for Straight Guy

O Show Antigo

Seguindo essa tendência, em 2003 surgiu o reality show norte-americano “Queer Eye for the Straight Guy”, que em tradução livre significa o olhar gay para o cara hétero. A diferença do programa para os demais de sua época é que juntavam 5 homens assumidamente homossexuais para transformar a casa e o visual de um homem heterossexual, além de dar algumas dicas de gastronomia e cultura. Os Fabulous Five (ou Fab Five), como eram chamados, se dividiam nas seguintes categorias: gastronomia, aparência, decoração, moda e cultura.

Contudo, apesar da proposta de visibilidade LGBT na televisão (o que foi revolucionário para a época), Queer Eye mantinha a mesma fórmula dos demais realitys de transformação: a mudança pura se simples, sem se importar muito com os gostos e detalhes da vida pessoal do participante.

Em 2005, chegou a ser lançado um spin-off do programa voltado às mulheres “Queer Eye for the Straight Girl”, mas não teve tanto sucesso, indo ao ar apenas 13 programas.

 

O Novo Queer Eye

Quinze anos depois, surge uma nova versão para o show. Transmitido pela Netflix, ganha novos apresentadores, um formato de série e, a surpresa, não envolve apenas homens héteros. A nova proposta de Queer Eye é transformar pessoas e já em sua 4ª temporada de show, já participaram homens e mulheres heterossexuais, homem trans e até mesmo um homem gay que recebeu ajuda para sair do armário.

Além dos participantes do programa, o que mais mudou foi sua maneira de abordagem. Queer Eye agora coloca o bem-estar acima da aparência, trazendo principalmente o diálogo e a informação como peças-chave para solução de problemas.

De forma muito natural, os episódios também trazem discussões super relevantes como religião, sexualidade, racismo e masculinidade tóxica, o que deixa um programa mais tocante que o outro, bem difícil de segurar as lágrimas.

Os novos Fab5 continuam se dividindo nas mesmas categorias que o antigo Queer Eye, mas, de forma mais forte que seu predecessor, os novos fabulosos, além de transformarem o exterior dos participantes, têm conversas profundas e interessantes, que os auxiliam a ser mais seguros e melhores também por dentro.

Extremamente carismáticos, Bobby (decoração), Tan (moda), Karamo (cultura), Jonatahan (beleza e estética) e Antoni (gastronomia) conquistam os corações dos telespectadores e é impossível escolher um favorito.

 

Queer Eye Netflix

 

LEIA MAIS

+++ Sintonia é a melhor série brasileira da Netflix

+++ Ouça nosso cast sobre a Terceira Parte de La Casa de Papel

+++ Era uma vez em Hollywood é uma gostosa viagem ao cinema

 

Vai lá assistir tudo agora

A aceitação é o maior tema em Queer Eye, o que acaba nos tirando da nossa bolha e mostra como existem pessoas diferentes no mundo e como todos merecem respeito. O programa traz ao longo dos episódios muita troca de vivência, colocando os Fab Five ora no papel de professor, ora no de aluno e no leva junto nessa jornada, mostrando que ainda temos muito o que aprender.

Além de nos ensinar sobre sermos honestos com nossos sentimentos e inseguranças, aprendendo a abraça-los e transforma-los em uma atitude positiva para nossa vida, Queer Eye também vai te dar algumas dicas do dia a dia que são ótimas, tanto para sua casa, aparência ou na experiência na cozinha. Entra na locadora vermelha agora e vai assistir as 4 temporadas já disponíveis.

 


Texto originalmente escrito por Amanda Alt, colaboradora do site, e editado por Felipe Hoffmann.