AODISSEIA
Especial

Mulheres no Cinema e na TV


8 de março de 2015 - 22:07 - Flávio Pizzol

Hoje é o Dia da Mulher e, aproveitando o embalo do sucesso de Agent Carter e das discussões em torno da falta de grandes personagens femininos no Oscar 2015, eu decidi fazer uma lista com personagens femininos fortes no cinema e na TV.

Claro que isso é uma lista e todo ano, pelo, menos, uns três sites fazem essas listas, mas eu criei algumas regras para tentar restringir a minha lista. Em primeiro lugar, tentei escolher personagens femininas que são protagonistas (ou co-protagonistas) de seus filmes, alteram o desenvolvimento da história com suas ações e, na maioria das vezes, não dependem de homens para isso. Esse quesito acabou excluindo, por exemplo, grandes personagens como a Viúva Negra (já que ela não conseguiu ser mais do que uma mera coadjuvante dos Vingadores), Hermione e Leia Skywalker.

Em segundo lugar, excluí as cinebiografias para tentar mostrar que boas mulheres podem ser criadas do nada, mesmo que isso exclua da lista alguns filmes como 12 Anos de Escravidão, Livre e A Dama de Ferro. E por último, tentei selecionar filmes e programas de TV bons para que essa lista também seja uma espécie de recomendação. Então vamos para a lista:

15) Katniss Everdeen (Jogos Vorazes, 2012)

4026846-20131004050534katniss_everdeen

Katniss é um exemplo de um bom personagem feminino que ainda está tendo sua história contada. A importância da moça para o filme é inegável, sua coragem ao arriscar a vida para salvar a irmã é digna e sua força é mais do que demonstrada dentro de uma guerra entre jovens. Entretanto, eu acho que o filme (não sei como isso é tratado no livro) ainda faz com muitas de suas ações estejam conectadas – direta ou indiretamente – aos personagens masculinos que a rodeiam, sendo que alguns desses momentos são desnecessários.

14) Mulan (Mulan, 1998)

mulan-2-DI-01

Acredito que essa personagem merece uma vaga na lista por se enquadrar em todos os pré-requisitos e ainda poder ser considerada uma revolução, já que essa a primeira grande animação que eu me lembro de ter visto uma personagem feminina tão forte. É verdade que, para realizar tudo o que deseja, Mulan tem que se fingir de homem durante boa parte do filme, mas isso também exige coragem e só enriquece a personagem.

13) Mérida (Valente, 2012)

merida-valente

Há pouco tempo, a Disney tentou trazer isso de volta à tona e usou uma espécie de história/lenda escocesa para apresentar Mérida, uma princesa que não quer apenas se casar e sim fazer tudo o que qualquer outro homem faz em uma cultura onde isso não era aceito. Essa história tem uma proximidade grande com a de Mulan, mas aqui a protagonista enfrenta seus problemas com a cara limpa.

12) Jackie Brown (Jackie Brown, 1997)

jackie_brown_05_dvd

Quentin Tarantino sempre usou mulheres fortes em seus filmes (com exceção de Cães de Aluguel), mas esse é o primeiro em que ela é a verdadeira protagonista, considerando que até a atriz escolhida, Pam Grier, também é uma grande representante desse tipo de protagonista na TV. Jackie é uma aeromoça que vive cercada de personagens masculinos, mas não faz nada por eles a não ser que isso também seja interessante para ela e para sua sobrevivência.

11) Peggy Carter (Agent Carter, 2015)marvel-agent-carter-hayley-atwell1

Peggy foi uma das motivações para a produção dessa lista e, como eu já tinha citado ela lá na introdução, quase decidi tirá-la para evitar a obviedade. Entretanto, eu fiquei com a impressão de que seria injusto tirar uma personagem forte, inteligente, independente e completamente feminista que vem ganhando muito espaço no Universo Marvel. Além disso, a série é muito boa e vale a pena ser assistida tanto por homens (eu meio que tenho uma queda por Carter, sua beleza e seu sotaque britânico), quanto por mulheres.

10) Sarah Connor (O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, 1991)

O-Exterminador-do-Futuro-2-Sarah

Assim como acho que a melhor representação feminina de Katniss está no primeiro Jogos Vorazes, aqui Sarah Connor só é retratada da maneira interessante no segundo filme da franquia do Exterminador. Enquanto no primeiro filme Sarah é utilizada da maneira mais machista e fraca possível, tudo é subvertido na continuação onde ela enfrenta tudo e todos para proteger sua vida e a de quem ela ama.

9) Hit-Girl (Kick-Ass: Quebrando Tudo, 2010; Kick-Ass 2, 2013)

brave-hit-girl-hit-girl-37225221-1891-953

Ao contrário da personagem anterior, a Hit-Girl é representada de maneira intensa do início ao fim. Claro que, no começo, ela está rigidamente conectada ao pai, interpretado por Nicolas Cage, mas sua participação cresce ainda no primeiro filme, surpreende o público e faz da jovem uma das melhores personagens do longa de Matthew Vaughn. Ela é, definitivamente, um exemplo de personagem que luta para ser independente em um mundo masculino: o dos heróis e vigilantes. E – cá entre nós – o que seriado Kick-Ass sem a Hit-Girl no segundo filme.

8) Thelma e Louise (Thelma e Louise, 1991)

UMbDAyK

Ridley Scott sabe criar boas personagens femininas e, nesse caso, ele criou duas que eu não pude separar. Thelma e Louise são duas mulheres submissas e cansadas da monotonia de suas vidas que decidem botar o pé na estrada sem ligar para homens, maridos e nada desse tipo. São personagens que merecem um lugar aqui e marcam presença em um filme sensacional.

7) Ellen Ripley (Alien: O Oitavo Passageiro, 1979; Aliens: O Resgate, 1986)

Ellen-Ripley-Aliens-female-ass-kickers-29685715-1280-688

Bem antes dessa dupla de fugitivas, Ridley Scott já tinha criada uma das mulheres mais bad-assda história do cinema e colocado a mesma para estrelar um filme de terror e ficção científica (dois gêneros pouco ligados ao público feminino). Assim ele fez Ripley mostrar a força da mulher e os todos homens caírem aos pés de uma protagonista feminina. Mas claro que ao falarmos da intensidade de Ellen Ripley, devemos ter o cuidado de não abranger todas as continuações de Alien, que, aos poucos, destruíram a personagem e a franquia com roteiros fracos ou desnecessários.

6) Xena (Xena: A Princesa Guerreira, 1995-2001)

Xena-Warrior-Princess0013

Essa é a única personagem da TV, mas não poderia faltar, afinal Xena é um clássico. Um clássico da minha infância, um clássico estrelado por uma heróina forte e um clássico da séries americanas na TV aberta brasileira. Sua qualidade pode ser considerada ruim em alguns aspectos, mas Xena é uma série muito divertida protagonizada por uma ótima personagem que raramente depende de homens para chutar bundas e enfrentar vilões grotescos.

5) Amy Dunne (Garota Exemplar, 2014)

gone2-1024x404

É verdade que Amy é psicopata e muito louca (a primeira, mas não a única dessa lista), entretanto não podemos dizer que as atitudes da moça são submissas ou coisa do tipo. Talvez aquele não seja o melhor jeito de provar sua força, mas Amy é, definitivamente, uma personagem feminina confiante e independente. E Garota Exemplar ainda é um dos melhores filmes de 2014.

4) Maggie Fitzgerald (Menina de Ouro, 2004)

Maggie-million-dollar-baby-29010164-1920-1080

Eu olhei várias listas sobre o tema e não entendi o motivo de não ter visto Maggie em nenhuma delas. Uma personagem brilhantemente escrita e desenvolvida, que preenche todos os pré-requisitos, disputa seu lugar em um esporte masculino e define, por conta própria, os rumos de sua carreira e de sua vida. E por mais que ela se alie a Frankie Dunn e seja importante para ele, é ele que está no filme para apoiar a garota e não o contrário.

3) A Noiva (Kill Bill: Volume 1, 2003; Kill Bill: Volume 2, 2004)

20176653

Essa também é louca, também foi criada por Quentin Tarantino e é uma escolha bem óbvia para essa lista. Fugindo da grande maioria (senão todos) dos estereótipos femininos, a Noiva é uma mulher que parte em busca de vingança depois que um grupo de assassinos destruiu seu casamento e a deixou em coma por quatro anos. Ela tem uma motivação um pouquinho mais forte do que as de Amy Dunne, mas ela também é bem psicopata e perigosa, além de ser especialista em armas e artes marciais.

2) Ryan Stone (Gravidade, 2013)

 

filmz.ru

Ryan é um nome geralmente usado para o sexo masculino, entretanto essa é uma grande mulher. Membro importante de uma grande expedição especial, Stone tem que reunir todas as suas forças para sobreviver após um acidente matar toda a tripulação. Ela não é louca ou perita em armas, mas é inteligente e incrivelmente forte, além de carregar um filme sufocante nas costas.

1) Lisbeth Salander (Os Homens que Não Amavam as Mulheres, 2009; A Menina que Brincava com Fogo, 2009; A Rainha do Castelo de Ar, 2009; Millenuim: Os Homens que Não Amavam as Mulheres, 2011)

rooney_mara_as_lisbeth_salander_by_amska-d4kofpu

A nossa primeira colocada também é independente (ou quer ser…), forte, inteligente, vingativa e meio louca, mas eu não coloquei ela na liderança por esses motivos. Primeiro, porque Lisbeth é, junto com Amy, a personagem mais complexa desse grupo. E segundo, porque eu tenho uma relação maior com ela por já ter lido os livros, visto os filmes suecos de 2009 e gostado muito da refilmagem americana. Quem só assiste a versão americana pode achar meio estranho eu ter colocado ela aqui, mas quem já conhece Salander a fundo vai entender o quanto ela já foi subjugada e maltratada por homens, de onde vem sua força e os motivos de sua presença aqui.


Menção Honrosa I:

* Mulher-Maravilha (Batman v Superman: Dawn of Justice, 2016)

9605ffdc190be4afe69ab1386e9adcb5_XL

Eu sei que a Mulher Maravilha seria uma escolha óbvia e justa para essa lista, até porque ela foi criada a partir de preceitos feministas para fazer o contraponto dos heróis da época. Entretanto, não usei a personagem porque, na minha opinião, ela não teve a adaptação correta feita nem para o cinema, nem para a TV. A Mulher-Maravilha que entraria nessa lista ainda está escondida dentro das HQs.

* Supergirl (Supergirl, 2015)

supergirl_gwu6T3X

A mesma coisa acontece com essa personagem, que ainda vai ter sua série lançada nesse ano. Até nas HQs, a Supergirl tem uma presença um pouco mais fraca do que a da Mulher-Maravilha, porque toda sua ligação e atuação está friamente ligada ao Superman, entretanto acredito que a série vá liberar a personagem um pouco mais e usar outro ponto de vista para aproveitar essa onda de heroínas que só aumenta.