0

Frenético, piloto de Lovecraft Country demonstra que a série tem tudo para ser tornar o novo sucesso da HBO


Na sexta-feira passada, a Netflix lançou 4 séries originais em sua plataforma, mas no domingo e até antes disso, só se falava em Lovecraft Country. A série de Misha Green que conta com a produção executiva de Jordan Peele e J.J. Abrams, já era um fenômeno antes mesmo de estrear, e muito disso se deve não apenas aos nomes envolvidos, mas por ser justamente da HBO.

Desde Game of Thrones, a emissora não tem carros-chefe. Westworld tentou, mas não chegou perto. E o canal chegou a lançar boas séries no ano passado e neste ano, mas Lovecraft Country gerou um boom gigantesco nas redes sociais. É claro que foi apenas um lapso daquilo que a série baseada nos livros de George R.R. Martin causou, mas existe um grande potencial aqui e no decorrer dos 10 episódios – tomando como base o piloto – isso vai aumentar.

+++ 11 séries sobre amizade disponíveis na HBO GO
+++ Saiba detalhes da parceria “aterrorizante” entre Blumhouse e Amazon Prime Video

lovecraft country

Mas, sobre o que é Lovecraft Country?

Baseada no livro de Matt Ruff, Lovecraft Country conta a história de Atticus Freeman (Jonathan Majors, “Destacamento Blood”), um veterano da guerra da Coréia que retorna para Chicago nos EUA, e descobre que seu pai Montrose, está desaparecido. Em busca do patriarca, o jovem se une ao tio George (Courtney B. Vance, “Power”) e a amiga de infância Letitia Lewis (Jurnee Smollett, “Aves de Rapina”) numa road trip para encontrar o paradeiro de Montrose. No meio do caminho, os três vão se deparar com a segregação racial americana dos anos 50, e horrores saídos das melhores histórias de terror.

Fãs de H.P Lovecraft, Atticus e seu tio sabem muito bem do passado nada bom do escritor de contos, que influenciou a literatura, o cinema e até os videogames. É claro que o escritor branco Matt Ruff, sabe do racismo e xenofobia do seu homenageado, mas quer justamente subverter isso ao colocar negros no centro da ação, como heróis.

Esse sentimento de culpa por gostar da literatura de alguém tão desprezível, evidencia um assunto atual sobre separar obra e criador, afinal: será que isso é possível? Apesar de grandes nomes envolvidos na produção executiva, Misha Green é a showrunner e roteirista de Lovecraft Country, e no primeiro episódio deixa estes questionamentos internos claros. Ela prepara o terreno nos calmos primeiros minutos, para adentrar numa América preconceituosa e mesquinhas, onde os monstros de verdade, não chegam aos pés dos humanos.

“Sundown” (spoilers do piloto a partir daqui)

Logo no início, Misha Green e o diretor Yann Demange (da série “Top Boy”), dão o tom do que veremos durante os 10 episódios da série. Um drama familiar, cercado de loucura e senso de aventura. A incrível cena inicial é a dose perfeita de referências e terror cósmico, sem perder o fator terreno.

Nos minutos iniciais, que se vê um drama familiar, uma preparação para entendermos a motivação de Atticus e de seus companheiros de viagem. A química entre os atores e seus personagens distintos, formam uma unidade, que culmina na insana cena final, onde a aventura de fato começa.

Mas, “Sundown” não se limita apenas a esses três elementos, trazendo tensão a cenas de perseguição em alta e baixíssima velocidade. Quando um ser humano (se é que podemos dizer assim), causa mais repulsa que um monstruoso vampiro, podemos afirmar que aquele universo não será nada fácil na jornada do trio.


Lovecraft Country será exibida todos os domingos às 22h na HBO e HBO GO

Gostou desse conteúdo?

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Chemical Hearts | Filme com Lili Heinheart estreia na Amazon Prime

Previous article

Lovecraft Country | Um guia para entender o universo da série da HBO

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Séries