AODISSEIA
Especial

Jordan Peele e John Krasinski: Da Comédia ao Terror

Este texto foi baseado num tweet.

11 de abril de 2018 - 13:37 - Tiago Soares

Este pequeno texto, surgiu desse tweet do crítico PH Santos, do Cinema com Rapadura e do seu canal no Youtube:

Logo depois, pesquisei se alguém mais tinha feito tal comparação, e no vídeo abaixo, Xilla Valentine entrevista John Krasinski e logo no início afirma que assim como aconteceu com Jordan Peele em “Corra!“, a carreira de John seria redefinida após “Um Lugar Silencioso“:

Após assistir ao filme, é correto afirmar que as semelhanças e particularidades dos diretores, vão muito além da comparação inicial que é: ambos saíram da comédia e fizeram filmes de terror maravilhosos. Peele veio de Key and Peele, um programa de esquetes que fez com seu brow  Keegan-Michael Key, além de recentemente ter feito Keanu, um filme sobre o sequestro de um gato, totalmente fora da caixa. Já Krasinski é mais conhecido como o Jim Halpert de The Office US e suas hilárias olhadas para a câmera.

Foi coadjuvante em algumas comédias românticas, teve a chance de ser o Capitão América do MCU e recentemente tem se tornado um astro de filmes/séries de ação com Jack Ryan (que tem previsão de estreia pra esse ano) e em 2016 com 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi, e é daí que surge a parceria com Michael Bay, que viria a produzir “Um Lugar Silencioso”.

Segundo Krasinski, a ideia surgiu nesse período, além do ator ser pai do segundo filho recentemente, o que aumentou sua sensibilidade familiar, sentimento crucial para o longa. Peele já vinha matutando Corra! há bem mais tempo, mas o filme sair ano passado foi um presente, já que não há período mais conveniente do que esse, cercado por passeatas neo-nazistas e Trump. Os diretores lançaram seus filmes quando queriam e estavam prontos pra isso.

Em seus filmes, ambos sabem como trabalhar a tensão e a omissão, gerando expectativas por parte do espectador. Peele trabalha com nossa própria imaginação ao esconder informações, Krasinski é mais didático, mas não deixe de ser brilhante ao lançar aos poucos o que precisamos saber, para formamos o quebra cabeça. Ambos soltam pistas do que vai/pode acontecer durante seus filmes. Da espuma da poltrona em Corra!, ao prego em Um Lugar Silencioso, há todo um cuidado em não brincar com a inteligência do público, fazendo a suspensão de descrença ficar no mínimo possível.

Peele e Krasinski arrancam o que há de melhor em seus atores. É o primeiro filme de ambos, e eles tem a sorte de trabalhar com atores menos conhecidos. Com exceção da linda e talentosíssima Emily Blunt, esposa de Krasinski, talvez a mais conhecida dos dois filmes. Há inúmeros relatos de diretores estreantes trabalhando com estrelas que queriam comandar a produção além do diretor, gerando problemas refletidos no filme. Os diretores puderam exigir o máximo das atuações.

Algo refletido no controle criativo deles. Peele é quem dirige, escreve e produz Corra! e teve total domínio. Krasinski dirige, estrela, produz e tem participação no roteiro (apesar de não totalmente, o que pode ter gerado o final que não agradou muitos). É correto afirmar que ambos tem a palavra final e que conseguiram fazer filmes “seus”, algo muito difícil na industria para um diretor estreante.

E é claro, ambos saíram da comédia para o terror, gêneros opostos que os permitiram ousar mais e trabalhar outros gêneros dentro do seu próprio filme. Peele brinca com o drama, a comédia e o cinema de paródia, já Krasinski é mais dramático, flerta com o suspense, o pós-apocalíptico e o cinema de monstro.

Que possamos ter mais filmes originais, saídos de mentes novas e cheia de ideias, que passeiem por outros gêneros. Corra! está disponível em algumas plataformas de VoD como o NOW, e Um Lugar Silencioso está em cartaz nos cinemas brasileiros.