0

Baseada no filme homônimo de 2011, a série da Amazon Prime Video, Hanna, tem algumas particularidades que a diferenciam do filme


Por vezes uma espécie de coming of age se une a uma proposta que debate a civilização e os “bons costumes”. Será que somos realmente civilizados e não animais bem treinados? É isso que “Hanna”, filme de Joe Wright questionou em 2011. No filme, Hanna vive com o pai Erik Heller, em condições primais, quase pré-históricas, caçando para comer e vestindo peles de animais para insular-se do frio, numa região inóspita do Ártico. Se isso já não bastasse, a menina é constantemente treinada por seu pai em sobrevivência, técnicas de luta, manuseio de armas, conhecimentos gerais e várias línguas.

Não demora para aprendemos um pouco sobre o porquê daquilo tudo e entendemos não só que Hanna é especial, mas, também, que a reintegração dos dois ao mundo civilizado depende do assassinato de Marissa Wiegler, agente da CIA, toda a razão do treinamento pesado de Hanna. É um constante jogo de gato e rato, com Hanna e Erik fugindo, caçando e sendo caçados por Marissa.

Neste sentido, ambos as premissas se aproximam, com diferenças mínimas. Na série, Hanna é uma garota de 15 anos que vive com Erik, o único homem que ela conheceu como pai, em uma parte remota de uma floresta na Polônia. Erik uma vez recrutou mulheres grávidas para um programa da CIA, codinome UTRAX, onde o DNA das crianças era reforçado para criar super-soldados.

hanna

Quando Erik se apaixona por Johanna, mãe de Hanna, ele resgata a bebê e eles fogem. A CIA então ordena que sua agente no local, Marissa, encerre o projeto e elimine todos os bebês. Depois de 15 anos escondidos na floresta na Polônia, Erik e Hanna chamam a atenção de Marissa, que promete caçá-los.

Desenvolvimento

É claro que numa série de TV composta por 8 episódios em sua primeira temporada, o desenvolvimento dos personagens seria melhor que o do filme. A série se beneficia pelo fato de seu criador David Farr, ser o roteirista da produção original.

O primeiro ano de Hanna é basicamente aquilo que vemos no enredo do filme, apenas com algumas alterações que claramente visam a continuidade e uma renovação, algo que aconteceu já que a segunda temporada está chegando.

A relação entre pai e filha

Mesmo com mais tempo para ser trabalhada, a impressão é que a relação entre Hanna e Erik é muita mais afetiva no filme de Wright. A dupla original feita por Saoirse Ronan e Eric Bana, tem suas divergências durante os 111 minutos da fita, mas a química entre os dois está sempre presente. Já os protagonistas da série, Esme Creed-Miles e Joel Kinnaman, transmitem uma sensação de indiferença e falsa intimidade.

Ambas as duplas causam empatia ao espectador e é possível se importar com cada reviravolta da trama, apesar da química entre os atores ser diferente.

A Trama

Se na série as coisas vão direto ao ponto, a trama do filme é mais poética. Na produção da Amazon, Hanna é mais crua, ao mesmo tempo em que seu contato com a civilização se dá de maneira mais rápida e até surpreendente. No filme, cada novidade é valorizada, e as descobertas da protagonista são inseridas gradualmente.

hanna

As relações de confiança entre pai e filha, da filha com os outros, a sexualidade e o amadurecimento, são coisas mais abordadas na TV. O fato de ambas serem adolescentes torna tudo mais difícil, já que estamos diante de uma fase complicada, cercada de questionamentos e experimentações.

A vilã e as cenas de ação

Ambas as produções são esteticamente impecáveis e possuem uma fotografia bem trabalhada, mas as cenas de ação as diferem. No filme, tudo acontece de forma mais lenta e mal ensaiada. Já na série, a movimentação é mais frenética e muito mais violenta.

As “Marissas” vividas por Cate Blanchett (filme) e Mireille Enos (série) só são parecidas na cor do cabelo. A vilã de Blanchett é caricatural e malvada ao extremo, se tornado unidimensional. Já Enos tem todo um background. Conhecemos sua família e suas reais motivações, além de seu controle pelo poder.

A escolha de Sophie

Apesar de carismáticas, ambas as abordagens de Sophie, melhor amiga da protagonista, são superficiais e trazem um drama teen as produções. A Sophie de Jessica Barden, tem pouca importância no filme, aparecendo como uma espécie de suporte emocional rápido.

hanna

Já a feita por Rhianne Barreto, ganha mais desdobramentos, além de sua família ser britânica e de origem indiana. A série aborda questões como paternidade, e a relação com as drogas e o sexo, em uma atualização necessária e bem vinda a narrativa, além é claro da era inovadora e tecnológica do mundo atual.


A primeira temporada de Hanna está disponível na Amazon Prime Video e a segunda chega no dia 03 de julho.

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

Tiago Cinéfilo
Há 4 anos nessa viagem. Estudante de Rádio, TV e Internet. Ex-Clock Tower, ex-Cinema Com Rapadura e ex-fã de The Walking Dead.

O Homem nas Trevas | Filme de terror com Stephen Lang chega na Netflix

Previous article

Impuros | Conheça a série brasileira na Amazon Prime

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Especial