EspecialFilmes

Mês do Terror | A Final Girl e a Cor Branca

final girl
0

Você sabia da forte relação que a final girl tem com a cor branca? Vem ver algumas delas…


“A cor é uma linguagem individual. O homem reage a ela subordinado as suas condições físicas e as suas influências culturais.”

Essa citação foi tirada do livro Psicodinâmica das Cores em Comunicação, que fala sobre a influência das cores no cérebro humano, nos fazendo ter diferentes sensações e emoções. A Teoria e a Psicologia das Cores é bastante usada nas áreas de Marketing e Publicidade, visando aumentar e atrair o consumo de determinado produto.

No cinema não é diferente. São inúmeros posts evidenciando a paleta de cores de um filme, e até cursos de qualidade bem duvidosa usam esse artifício. As pessoas procuram significado em tudo, e de certa forma, algumas coisas possuem. A cor branca por exemplo, se associa afetivamente com a pureza e a inocência, e isso está perfeitamente ligado ao significado de final girl.

+++ A Volta do Parafuso: Saiba mais sobre o livro que será adaptado em A Maldição da Mansão Bly
+++ Conheça o “Eu Não Acredito em Nada”, o podcast de terror da Odisseia

final girls

Mas, o que é uma final girl? 

Difundido pela primeira vez em 1992, pela escritora feminista Carol J. Clover no livro Men, Women and Chainsaws (Homens, Mulheres e Motosserras: A Questão de Gênero nos Filmes de Terror Modernos), o termo designa as protagonistas dos filmes de horror (a principal ou a artista segundo a minha avó). Aquela que sobrevive até o fim, para enfrentar o monstro, o vilão, enfim, a figura antagônica da obra.

Segunda a autora, após analisar vários filmes slasher (filmes de terror com assassinos implacáveis), percebeu que esse embate final se trata de uma luta contra ao patriarcado, principalmente nos anos 70 e 80. Em contrapartida, existe um problema, não com o termo em si, mas com o estereótipo das final girls.

A maioria delas precisam ser puras, na maior parte das vezes virgens, e sem nenhuma falha de caráter. Ao mesmo tempo precisam ser espertas e totalmente responsáveis, além de ingênuas. Qualquer traço de sexualidade e rebeldia, é condenado com o pior que poderia acontecer: a morte.

No episódio 21 do “Eu Não Acredito em Nada”, a convidada Carissa Vieira diz que a final girl é a personagem que mais sofre no filme de horror, pois vê todos os amigos morrerem, e precisa buscar forças para continuar sobrevivendo. Além disso, ela questiona o porquê da não existência de final girls negras, uma questão que deixa claro o racismo da indústria, e como a sociedade vê a mulher preta, como alguém que precisa ser forte, e aguentar todo e qualquer sofrimento, culminando em sua morte.

Mas isso é assunto para outro texto, vamos nos concentrar nas final girls que usam branco, e o porquê da cor criar uma série de camisetas suadas e manchadas de sangue, por vezes sexualizando as protagonistas. Esqueça Sidney Prescott (“Pânico”), Nancy Thompson (“A Hora do Pesadelo”) e Laurie Strode (“Halloween”), pelo menos por hora.

Adelaide (Lupita N’yongo) | Filme: Nós

A não existência de final girls negras mudou com um nome: Jordan Peele. Se já tinha trazido um final boy negro em Corra!, em Nós, o diretor traz, além de Adelaide, uma família negra no centro da história. A ambulância ou caminhonete (no caso de Sally Hardesty em “O Massacre da Serra Elétrica” de 1974), com a personagem branca contemplando o pôr do sol ao final, ganha outro significado.

Erin (Jessica Biel) | Filme: O Massacre da Serra Elétrica (2003)

final girl

Este é um daqueles casos de sexualização da protagonista, por vezes exagerada por parte do diretor Marcus Nispel. Particularmente adoro este remake, mas reconheço os problemas com a protagonista Erin, personagem de Jessica Biel no filme. Sua camiseta branca já está surrada ao fim da obra, com a personagem correndo pela própria vida até os últimos minutos. A clássica final girl.

Jessie (Eliza Dushku) | Filme: Pânico na Floresta

final girls

Essa é daquelas final girls que vão crescendo no decorrer do filme. Jessie, de Pânico na Floresta, segue a cartilha da final girl clássica: bonita, aparentemente inocente, mas com uma passado um pouco sombrio, se sentindo culpada por alguma tragédia.

Disponível na Amazon Prime Video

Angela Vidal (Manuela Velasco) | Filme: R.E.C.

Comentamos a personagem mais a fundo na edição 26 do “Eu Não Acredito em Nada”, sobre [R.E.C.]. Angela Vidal vai de uma personagem chata, medrosa, e desesperada, a uma final girl que resiste por muitos filmes, além de bater de frente com homens e infectados.

Disponível na Amazon Prime Video

Grace Le Domas (Samara Weaving) | Filme: Casamento Sangrento

Novos tempos, novos filmes. O arquétipo da final girl foi mudando com o decorrer dos anos, apesar de no início dos anos 2000, permanecer com traços de outrora. A nova final girl faz sexo, tem a boca suja e não perde a pose. Isso acontece com Grace Le Domas (personagem de Samara Weaving) em Casamento Sangrento, que enfrenta a família do noivo com seu vestido de noiva ensanguentado.

Dani (Florence Pugh) | Filme: Midsommar

Mais uma com ares de nova final girl. Dani é uma garota quebrada em Midsommar, que busca encontrar a felicidade, a cura dos seus traumas, e um significado para a própria existência. Acaba encontrando isso em sua viagem aos confins da Suécia, e seu sorriso final diz tudo.

Disponível na Amazon Prime Video

Carly (Elisha Cuthbert) | Filme: A Casa de Cera

final girl

Neste caso, Carly não é apenas uma final girl, já que sobrevive ao lado de seu irmão gêmeo, trazendo os primeiros final brothers do terror. Falamos mais dessa questão na edição 25 do “Eu Não Acredito em Nada”, sobre A Casa de Cera.

Disponível na Netflix e no Globoplay

Michelle (Mary Elizabeth Winstead) | Filme: Rua Cloverfield, 10

Um dos meus filmes favoritos de 2016, Rua Cloverfield, 10 por vezes é um filme de suspense e especulação, com uma tensão crescente a cada minuto. Outras vezes, é um filme de psicopata, mas na verdade…não vou dar spoiler. Michelle é claramente uma das novas final girls: inteligente, nada inocente e totalmente auto suficiente.

Julie James (Jennifer Love Hewitt) | Filme: Eu Sei O Que Vocês Fizeram no Verão Passado

Pegando carona no sucesso de Pânico, “Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado” apresentou Julie James, uma das maiores final girls dos anos 90. Julie era a junção perfeita da final girl clássica, com a determinada e independente que viria em seguida.

Jennifer Hills (Sarah Butler) | Filme: Doce Vingança

Presença polêmica na lista, Doce Vingança pode ser considerado um torture porn, que bebe muito da fonte dos filmes saídos no início dos anos 2000 como Jogos Mortais e O Albergue. Remake de A Vingança de Jennifer de 1978, o filme apresenta uma final girl que come o pão que o diabo amassou nas mãos de estupradores e homens abusivos, mas retorna para se vingar de uma forma cruel.

Katie (Katie Featherston) | Filme: Atividade Paranormal

final girl

Esse é um dos exemplos onde a final girl se deixa sucumbir ao lado do “mal” e sobrevive, algo visto em Midsommar e até mesmo no remake de A Morte do Demônio. Não se deixe influenciar pela voz de Katie chamando Micah, ela pode ser traiçoeira.

Lori Campbell (Monica Keena) | Filme: Freddy vs Jason

Lori é daqueles personagens que evoluem com o tempo, e tem a pegada investigativa que permeia boa parte das final girls. Determinada e com um grande senso de justiça, a protagonista divide a atenção com duas das maiores figuras do terror: Freddy Krueger e Jason Voorhees.


Conhece mais alguma final girl que utiliza a cor branca? Conta pra gente nos comentários!

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Tempos de Crise | Conheça a 1ª série belga-suíça no Globoplay

Previous article

Cidade dos Mortos | Tudo sobre a série russa apocalíptica da Netflix

Next article

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *