AODISSEIA
Games

Diário da BGS 2018 – 1ª Dia: Menos nem sempre é mais

Décima primeira edição da maior feira de games da América Latina começa morna.

11 de outubro de 2018 - 19:26 - Tiago Soares

A Brasil Game Show 2018 começou, e se a primeira impressão for a que fica, a 11ª edição da maior feira de games da América Latina precisa melhorar. O dia reservado a imprensa sempre é o mais calmo — e transitar pelos estandes e ativações geralmente é bem tranquilo — mas não precisa ser entediante.

Em relação ao ano passado se destaca a a falta de organização já na entrada do evento, que dispunha de poucas pessoas atendendo a grande demanda, já que parte do público geral (lê-se VIPs), também estavam ansiosos para participar. Os portões se abriram tardiamente e o processo de entrada e revista foi feita de maneira demorada devida as longas filas.

Jogar menos, andar mais

Nosso primeiro dia foi destinado exclusivamente a conhecer os estandes, ativações e como meros mortais — ganhar brindes. As marcas estão cada vez mais criativas em promover seus produtos, e utilizam a feira para agradar prováveis clientes.

Pra não dizer que não jogamos, fizemos uma parada no estande da XBOX, e jogamos Mônica e a Guarda dos Coelhos, jogo da Mad Mimic em parceria com a Maurício de Sousa Produções para PC, PlayStation 4, Nintendo Switch e Xbox One.

Pra quem não lembra, ano passado conversamos com alguns desenvolvedores da Mad Mimic na Área Indie do evento e jogamos  No Heroes Hereque é basicamente a mesma mecânica que temos aqui, mas com personagens de A Turma da Mônica.

Uma passada na Arena Arcade e seus nostálgicos mas problemáticos jogos (já que boa parte dos aparelhos estão com defeito) nos revigora e elimina o sentimento de frustração que foi passar pela Avenida indie, que mais parece um beco — já que esse ano está bem menor.

Aliás, todo o evento parece menor, pelo menos em comparação ao ano passado. Não sei se devido a proximidade com a Game XP (outro evento de games que aconteceu no Rio de Janeiro), que pode ter influenciado negativamente.

O discurso anual da feira é ser “maior e melhor”, mas infelizmente foi algo que não vimos neste primeiro dia, o que não deve ditar o tom de toda a edição, já que o principal componente não estava lá em peso — o público.