0

saving_mr_banks_xlrg

Esse filme, que tem uma das piores traduções de títulos de todos os tempos, pode não ser tudo isso que a critica estrangeira estava comentando, mas não merecia ser esnobado no Oscar.

O filme conta a história da negociação e posterior produção do clássico filme Mary Poppins. Antes da história sair do papel, Walt Disney teve que gastar muito tempo e lábia para convencer a amarga e teimosa P.L. Travers a ceder os direitos do livro para seu estúdio.

images (5)

Tenho que começar essa analise falando do horroroso título em português do filme. O titulo é ruim, mal traduzido e impreciso. Impreciso porque muito pouco do filme se passa nos ditos bastidores do filme. O filme se trata da luta de Walt para conseguir os direitos e cumprir uma suposta promessa. O que vemos é um pouco de uma pré-produção e não os bastidores do filme como o título indica. Em contrapartida, o título original, Saving Mr. Banks, faz referencia ao pai das histórias da babá e funciona no filme.

O roteiro do filme é construído de maneira interessante, se divindo entre 1961 em Los Angeles e a infância de Travers na Austrália. Mesmo que alguns flashbacks interrompam o filme e incomodem um pouco, a maioria destes ajuda a compor a história e, principalmente, a personalidade da escritora.

download (4)

Também não gostei muito da maneira como a disputa entre Walt e Travers é maniqueísta. Walt é tratado como um santo e um herói que não queria saber dos lucros do filme, enquanto a escritora é vilanizada, quando só tinha uma atitude natural de querer proteger sua maior obra. São personalidades pouco aprofundadas.

Inclusive a sobrinha de Walt criticou o filme, deixando claro que seu tio era racista, sexista e misógino. Ele não seria um demônio, mas não seria o anjo que o filme descreve. Ele tinha todas essas características, mas sabia como deixar as pessoas felizes. É por isso que, independente da personalidade criada para o personagem, a sua cena com Travers em Londres é tão bonita.

A direção de John Lee Hancock é simples e funcional. Não erra, mas também não acrescenta nada de significante ao filme. Tomadas simples que deixam o grande elenco tomar conta do filme. E que elenco é esse…

Emma Thompson está espetacular no papel de Travers, interpretando com genialidade todos os trejeitos da turrona escritora. Definitivamente, Emma merecia uma indicação ao Oscar.

26-emma-thompson-saving-mr-banks

Outro que destrói é Tom Hanks – só pra variar um pouquinho. Dois personagens reais, duas atuações brilhantes e duas esnobadas na mesma premiação. Tom está perfeito no papel de Walt Disney, ainda que a homenagem ao personagem seja um pouco exagerada.

No elenco coadjuvante ainda temos alguns nomes conhecidos que merecem destaque. Colin Farrell vive o pai de Travers e pode ter tido sua melhor atuação nesse filme. Seu personagem é interessante e consistente, fazendo com que ator consiga ter uma boa atuação.

Jason Schwartzman também tem um certo destaque, quase sempre ao lada de B.J Novak, fazendo o músico que criou as icônicas canções do musical. Paul Giamatti também é outro nome conhecido que arrasa. No início, seu personagem parece ser só um figurante de luxo, mas ele cresce durante o longa e tem duas ótimas cenas com Emma Thompson.

A parte técnica do filme também foi totalmente esnobada do Oscar, que só abriu uma exceção para a trilha sonora de Thomas Newman, que é sensacional. A fotografia é ótima, a edição encaixa muito bem no filme (algumas transições entre o “presente” e os flashbacks são brilhantes) e a direção de arte recria os anos 60 com delicadeza e perfeição. Destaque para a espetacular recriação da premiere do filme no Chinese Theater.

images (3)

Todas essas categorias poderiam ter sido agraciadas com pelo menos uma indicação ao prêmio mais cobiçado do cinema mundial.

Mesmo que o filme seja lento e tenha alguns erros, os acertos facilmente equilibram o filme. Mesmo que muitas liberdades criativas sejam tomadas e algumas coisas sejam simplesmente suprimidas da história para favorecer a homenagem, o filme merece ser assistido pelas ótimas atuações e por esta homenagem a dois gênios e a uma época dourada do cinema americano.

Por Flávio

Flavio Pizzol
Nascido em uma galáxia muito distante, sou o construtor original dessa nave. Aquele que chegou aqui quando tudo era mato. Além disso, nas horas vagas, publicitário, crítico de cinema, aprendiz de escritor e músico de fundo de quintal. PS: Não sabe trocar a sua imagem do perfil...

O Grande Herói

Previous article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes