0

Vivir Ilesos é um filme sobre sobrevivência, ao passo em que falha na maioria de suas ações, beirando o amadorismo e o mau gosto


A cena inicial de “Vivir Ilesos” é filmada num plano médio com pouca luz. Parece um filme caseiro e não se sabe se essa era mesmo a proposta do diretor. No decorrer do filme percebemos que alem de uma espécie de “cinema situação”, a obra é recheada de defeitos. Na trama, um casal de golpistas é desmascarado e sequestrado por um excêntrico milionário. O ricaço mantém a mulher com ele, e abandona o homem, que com o passar do tempo tenta desesperadamente que a polícia e o Estado entrem em ação, sem sucesso.

A violência da produção de Manuel Siles tenta ser cruel, mas é bastante falsa. Os socos parecem que não acertam o alvo, os tapas e empurrões muito menos. O sadismo presente na figura do homem poderoso que acha que pode ter tudo ao seu pés só reforça um discurso raso que tenta ser profundo a todo instante. As atuações são overrated, de um nível parecido com as piores novelas mexicanas exibidas no SBT.

vivir ilesos

Ao mesmo tempo, o filme tenta fazer uma crítica ao sistema engessado e sua ocultação quando se trata dos poderosos, mas fica apenas na superfície, principalmente quando foca na figura do delegado, mais cômico do que intimidador. Os personagens unidimensionais são apenas fantoches de um roteiro raso e pobre. Lucía (Magaly Solier) e Alberto (Oscar Ludeña) geram zero empatia e, surpreendentemente, a figura sádica do sequestrador vivido por Renato Gianoli é a que tem mais personalidade.

“Vivir Ilesos” é um estudo falho sobre como o agredido pode se tornar o agressor. Além disso, o papel da mulher é justamente o de objeto, tendo pouca voz na narrativa e sendo totalmente dependente dos homens e seus desejos obsessivos.


*Filme visto na 43ª Mostra de São Paulo


Acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais aqui na Odisseia.
product-image

Vivir Illesos

1

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Horror Expo 2019: Mais quente que o inferno

Previous article

Horror Expo 2019: O Fyre Festival do Terror!

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes