AODISSEIA
Filmes

Toy Story 4 é o adeus que precisamos entender

Cada um tem o seu lixo


21 de junho de 2019 - 12:09 - felipehoffmann
ESTE TEXTO CONTÉM ALGUNS SPOILERS LEVINHOS, CUIDADO.

Toy Story 4 é a carta de amor a Woody. Toda sua força e resiliência são botados a prova num ciclo que se encerra ao melhor estilo Pixar.


Quando Toy Story 4 foi anunciado há alguns anos, muitos se questionaram da real necessidade de um filme que, aparentemente, já havia finalizado sua franquia com uma excelente trilogia. A resposta é que Toy Story 4 é um filme que não precisava existir mas que bom que fizeram, e que agora possa fechar todo um ciclo em paz.

Nas primeiras gotas de chuva que caem no flashback que dá o pontapé do filme, já percebemos que estamos diante de mais um Toy Story. Toda a brincadeira dentro de uma casa, enquanto cai o mundo lá fora, é um universo de possibilidades que a imaginação cria com os brinquedos.

Enquanto ao fundo toca “Amigo estou aqui” uma nova aventura começa e os olhos cheios de lágrimas, com apenas 10 minutos, já diziam que estava vendo um adeus. Um adeus sublime e sincero. Com toda a mensagem que Woody deseja passar.

 

toy story 4 garfinho


LEIA MAIS

+++ Spark Shots é um daqueles curtas Pixar que você precisa conhecer

+++ Aladdin é uma gostosa mistura do clássico com o moderno

+++ Você já assistiu Viva: A vida é uma festa? Olha, você deveria


Em escala de grandiosidade, talvez Toy Story 4 não se aproxime do terceiro e segundo filme da franquia, mas lembra muito aquele primeiro, lá de 95, que espantou o mundo com uma animação, à época, perfeita.

Digo isso porque é um típico longa de aventuras, assim como aquele, sem a pretensão de ser maior do que é e entendendo sua importância para seus variados públicos. Todo separadinho em esquetes, as coisas vão acontecendo e por mais que as situações sejam adversas, Woody continua sempre a nadar.

 

É um filme dele, para ele e para nos despedirmos dele.

 

Já vimos histórias semelhantes diversas vezes, mas a Pixar tem algo especial. Aquilo que te prende na cadeira, te faz suspirar e entender a mensagem de uma forma tão doce, que simplesmente aceitamos e choramos pelo fim. Entendendo que ciclos se encerram, que pessoas entram e saem de nossas vidas e que no fundo, precisamos entender o nosso propósito. As nossas próprias vontades.

Toy Story 4 é uma metáfora sobre amizade, sobre perdas, sobre força, sobre acreditar em si mesmo e entender que o indivíduo é muito mais do que o rotulam. Quando entendemos essa camada mais profunda do texto, apenas aceitamos o fato do filme existir, por mais que entendesse que não era perspicaz criar um quarto longa.

 

toy story 4 beth

 

É uma história perfeitamente balanceada entre o humor e seus temperos dramáticos. O humor gera empatia com os novos personagens os fazem crescer narrativamente. O drama quebra nossas expectativas e humaniza os personagens. Tudo direitinho, na medida certa. Mais um acerto de Josh Cooley (Divertidamente) no roteiro, mas que aqui também tem as amarras da direção.

Como disse no início do texto, os primeiro pingos de chuva já mostram que estamos vendo uma história Pixar. Impressiona o realismo estético que a empresa conseguiu atingir. As texturas, o trabalho de cor, as expressões dos personagens e suas nuances, tudo é incrível. Por mais que a linha visual dos personagens seja mais caricata, a ambientação é fotorrealista, transformando tudo em um mundo tão crível quanto nossa realidade.

Toy Story 4 encerra seu ciclo de vez. Por mais que existam spin offs dentro desse universo, a história de Woody finalmente chega ao fim. A vida continua, as despedidas acontecem e de uma forma ou de outra, voltamos às origens. A despedida serve também como um até logo. Serve como um adeus que involuntariamente acontece mas que no fundo, sabemos que ainda está lá e que vai sempre lembrar da gente, como um amigo dizendo que está aqui, sempre ao seu lado.