0

“Sem Ressentimentos” é lindo visualmente, mas se repete em seus temas e conteúdos


Em certo momento da fita, o protagonista anda de bicicleta livremente e outra personagem diz: “você parece que está naqueles filmes bregas de amadurecimento”. O irônico é que o filme de Faraz Shariat é exatamente isso. Esteticamente belíssimo, “Sem Ressentimentos” é um poço de conceitos, mas raso em todo o restante.

Na noite de seu aniversário, Parvis rouba uma garrafa de bebida em uma danceteria. Porém, ele acaba pego e, como é filho de iranianos exilados, é obrigado a fazer trabalhos comunitários em um centro de refugiados na Saxônia, Alemanha, onde vive. Lá, ele se apaixona por Amon (Eidin Jalali), que fugiu do Irã com a irmã, Banafshe (Banafshe Hourmazdi). Juntos, os três curtem um verão com noites sem fim, primeiros amores, a força da juventude — e a percepção de que nenhum deles se sente plenamente em casa na Alemanha.

+++ CRÍTICA: Entre Mortes | Tragédias não-anunciadas
+++ Confira os debates do fórum da Mostra de São Paulo 2020
sem ressentimentos

Foto: Divulgação

Ao começar o filme com um vídeo caseiro, Shariat deixa claro que veremos uma espécie de auto cinebiografia, o que expressa tudo da forma mais pessoal possível. Aliás, é impossível não se apegar ao protagonista, já que Parvis (Benny Radjaipour) é maravilhoso, e a relação do trio principal é a melhor coisa de “Sem Ressentimentos.”

Quando essa relação começa a ficar abalada devido ao romance, o filme cai em qualidade, mas ainda possui certa força na questão imigratória. O não pertencimento do trio é latente, algo que se opõe a beleza vista em tela. Mas nem só de planos bonitos um filme é construído.

No Hard Feelings

Foto: Divulgação

Essa naturalidade que “Sem Ressentimentos” traz acaba sendo uma vantagem, mas ao mesmo tempo, não existe uma sensação de novidade. A produção está interessada em contar uma história, mesmo que repita conceitos durante seus mais de 90 minutos. O filme anda no campo da seriedade, usando sua discussão apenas como pano de fundo de uma relação amorosa/amigável.

Por vezes vibrante, “Sem Ressentimentos” apenas pincela um desenvolvimento maior, mas no fundo os personagens terminam como começaram, desta vez, com o advento de ter alguém ao lado.


Filme visto na 44ª Mostra de São Paulo. Saiba mais sobre o evento AQUI.

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

product-image

Sem Ressentimentos

6

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Dash e Lily | Tudo sobre a nova série de Natal da Netflix

Previous article

Liu Ze | Uma entrevista pessoal sobre uma obra pessoal

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *