Piratas do Caribe 5 | A Vingança de Salazar

piratas do caribe

Piratas do Caribe é uma franquia extremamente desgastada, mas o quinto filme funciona como uma boa diversão para domingos chuvosos


É impossível começar essa crítica sem lembrar com a ideia de transformar um brinquedo em filme se tornou um dos maiores acertos comerciais da Disney, elevando Johnny Depp ao status de astro durante o percurso. A recepção da crítica e do público surpreendeu, o faturamento foi bilionário e nem a qualidade condenável de alguns longas foram capazes de afastar o público dos cinemas. O resultado de todo esse caminho é mais uma continuação na figura de Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar: um quinto filme repetitivo e desgastado, mas bastante divertido.

Dessa vez, a história acompanha Henry Turner (o filho do Legolas em pessoa) em sua jornada para encontrar o Tridente de Poseidon, um artefato mágico que poderia acabar com a maldição que seu pai abraçou no terceiro longa. Sua única ajuda vem através de uma jovem astróloga e do renomado Jack Sparrow, porém as coisas complicam quando todos precisam fugir de uma tripulação fantasma liderada pelo vingativo (dã!) Capitão Salazar.

piratas do caribe

Piratas do Caribe 5 | A Vingança de Salazar 2Assim como aconteceu no longa anterior, Piratas do Caribe 5 busca injetar novos ares na franquia com contratação de novos diretores. Os noruegueses Joachim RønningEspen Sandberg (do ótimo Kon-Tiki) não extrapolam nenhuma regra habitual, mas cumprem a sua parcela da tarefa ao impor ritmo e inventividade às cenas de ação. Eles criam cenas realmente inspiradas, brincando tanto com efeitos práticos quanto com um CGI de ponta. Mesmo parecendo um pouquinho com a cena da roda em O Baú da Morte, aquele momento da guilhotina desponta como um dos destaques.

O design de produção de Piratas do Caribe continua sendo um acerto indiscutível. Navios, figurinos, criaturas e armamentos sempre foram marcantes dentro da franquia, mas preciso admitir que a construção visual do Capitão Salazar me conquistou logo de cara. A boca preta, a cabeça oca e os cabelos que parecem estar sempre embaixo d’água criam uma personificação assustadora e, ao mesmo tempo, muito bonita. Talvez ele só perca para Davy Jones e seus tentáculos em movimento.

Piratas do Caribe 5 | A Vingança de Salazar 3Apesar de apostar apenas principais acertos de outrora, roteiro de Jeff Nathanson (Prenda-me Se For Capaz) tem mais dificuldade para se sustentar e chega se tornar cansativo em alguns momentos. A estrutura narrativa é completamente repetitiva, as sugestões de conexão entre os filmes soam um tanto quanto forçadas, a mitologia é usada diversas vezes como deus ex machina e as relações entre os personagens são sustentadas por meros acasos. Os três protagonistas, por exemplo, simplesmente se esbarram por pura decisão de um roteiro preguiçoso.

Piratas do Caribe 5 | A Vingança de Salazar 4

Suas respectivas motivações até que são bem apresentadas, mas vão se perdendo no meio de personagens apáticos, mais coincidências e escolhas um pouco machistas. Henry Turner e sua vontade de salvar são bem apresentadas e funcionam como uma espécie de fio condutor para a trama, porém a atuação de Brenton Thwaites (Deuses do Egito) entrega alguém sem carisma suficiente pra arrancar a torcida do espectador. Jack Sparrow continua o mesmo protótipo de Han Solo exagerado, mas Johnny Depp (Animais Fantásticos e Onde Habitam) deixa claro que já não tem o mesmo vigor e ânimo para fazer aquele papel. Pelo menos, as piadas direcionadas pelo Capitão funcionam em sua maioria.

Piratas do Caribe 5 | A Vingança de Salazar 5Em contrapartida, o restante do elenco deste Piratas do Caribe consegue se destacar com mais facilidade no meio do texto. Kaya Scodelario (Maze Runner: Correr ou Morrer) enfrenta uma motivação apenas sugerida e o fato de ser a única mulher com presença de cena no filme inteiro, mas acaba brilhando quando incorpora uma Carina inteligente e determinada. Geoffrey Rush (Genius) continua roubando todos os holofotes para o Capitão Barbossa, transitando por momentos espetaculares até quando as reviravoltas surgem do nada e as conclusões de novela enchem a tela. E, por fim, Javier Bardem (007 – Operação Skyfall) aproveita a história regressa de Salazar para transformar um vilão genérico em alguém sólido e bem motivado.

piratas do caribe

Apesar dos trancos, barrancos e imitações baratas do romance entre Will e Elizabeth, os personagens possuem uma relação bem construída e conduzem o espectador por uma trama contida e enxuta. Não existe nenhuma dúvida de que a fórmula está bastante desgastada, porém Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar cumpre sua proposta de ser uma boa aventura e vale muito mais a pena do que aquela coisa decepcionante que chamam de quarto filme. Pelo menos esse retorno diverte o suficiente e não deve decepcionar quem estava com as expectativas medianas. Esse é um indício muito positivo, considerando que as buscas por tesouro não vão parar tão cedo.


OBS 1: Kaya Scodelario é meu novo crush do cinema. Que olhos azuis e jeitinho brasileiro!

OBS 2: A cena pós-créditos de Piratas do Caribe 5 (fique até o final!!) pode indicar várias coisas, sendo que a mais interessante é o retorno de um vilão clássico.


Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

Piratas do Caribe 5 | A Vingança de Salazar 6

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous Post
séries

PODSEIA 004 | SÉRIES DESCONHECIDAS

Next Post

Arrow (5ªTemporada)

Related Posts