0

Último longa da primeira parte do Welcome To the Blumhouse, “Noturno” tem um clima sombrio e um potencial desperdiçado


Filmes que retratam a relação obsessiva, amorosa e conflituosa do artista com a arte, já viraram moda em Hollywood. “Cisne Negro”, “Whiplash”, “The Perfection”…essa busca incessante por ultrapassar os próprios limites, não é novidade, e “Noturno” se dá bem quando segue essa linha – podemos dizer – mais “segura”.

Quando tenta inovar e criar um universo propriamente seu, o terror do alter ego perde todo o potencial que tinha, mas antes vamos a história. Na trama, Juliet (Sydney Sweeney, de “Euphoria”) é uma jovem pianista. Assim como sua irmã Vivian (Madison Iseman, de “Annabelle 3″), tem como objetivo chegar na Juilliard School. Entretanto, sua irmã é mais talentosa e já tem o futuro garantido, deixando Juliet em uma situação difícil, criando um sentimento de ódio e rivalidade dentro dela.

Além disso, Vivian é mais extrovertida, tem um namorado talentoso e popular, e se dá melhor com os pais. Certo dia, Juliet encontra um caderno de partituras, que pertenceu a outra aluna que se suicidou recentemente. A medida que o tempo passa, Juliet se desenvolve como artista, mas também enfrenta um desejo obscuro pela perfeição, se tornando outra pessoa no processo.

+++ CRÍTICA: Mau Olhado (Evil Eye) | Suspense óbvio sobre o karma
+++ CRÍTICA: Caixa Preta (Black Box) | Os horrores da mente e o poder do egoísmo++noturno

“Noturno”, da estreante Zu Quirke começa bem, muito devido a apresentação dos personagens. Em poucas palavras, já é possível ler a personalidade das irmãs, dos pais, dos professores, enfim. Sydney Sweeney traz o peso de uma jovem introvertida e que almeja voos maiores, enquanto Madison Iseman tem o mundo aos seus pés.

Ambas seguram bem “Noturno”, pelo menos até o segundo terço do filme. Quirke se utiliza dos corredores da escola de música para criar um clima sombrio, por vezes claustrofóbico. A música aliás, tem um papel importante na construção da atmosfera, pois é usada nas transições e planos sufocantes, seguidos de longas sequencias que acompanham Juliet pelo local.

Uma pena que esse clima e sutileza sejam abandonados nos minutos seguintes, e Quirke decide utilizar-se de um visual piegas, apelando menos para a introspecção daquele mundo, e mais para a clareza de uma forte (e literal) luz.

Os conflitos com a arte e a dualidade do artista, são substituídos por dramas adolescentes e rivalidade feminina. “Noturno” parece querer falar dos males da busca da perfeição, falar de relações tóxicas, falar de livros amaldiçoados (“Death Note” é você?), mas acaba se saindo mal em tudo, por justamente querer ser tudo ao mesmo tempo.

Por vezes insano em seu visual, “Noturno” volta aos eixos em sua parte final. Final esse aberto a interpretações, mas condizente com as personas que estavam ao redor da saga de Juliet e sua luta contra o ostracismo, ou seria uma luta interna contra as próprias vontades?


Noturno está disponível na Amazon Prime Video

 

Ver essa foto no Instagram

 

POISÉ 🤷 . Durante evento de apresentação do iPhone 12, a Apple anunciou que os novos modelos do seu smartphone não vão vir com carregador de tomada nem fones de ouvido. . De acordo com a Apple, a medida foi adotada como parte dos esforços para preservar o meio ambiente. Na caixa, que reduziu consideravelmente de tamanho, virá apenas o aparelho e um USB-C para lightning. . Ao todo, serão quatro modelos: iPhone 12 mini por US$ 699 iPhone 12 por US$ 799 iPhone 12 Pro por US$ 999 iPhone 12 Pro Max por US$1.099 . A empresa afirmou ainda que os modelos chegarão ao Brasil em breve, sem detalhes de uma data, nem preços oficiais. . E aí, o que achou da atitude da Apple? . #iphone12 #apple #appleiphone #earpods

Uma publicação compartilhada por A Odisseia – Cultura Pop (@aodisseia) em

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

product-image

Noturno (Nocturne)

5

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

La Revolution | Todos os detalhes da série francesa de época na Netflix

Previous article

Supernatural | 16 Melhores Momentos da Série

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes