0

Tenso, Mentira Incondicional trabalha a desconfiança, mas se perde nas próprias reviravoltas


Quando Roman Polanski fez o seu “Deus da Carnificina” em 2011, ele sabia do efeito que as crianças tinham sobre a atitude dos pais. Uma simples ação e rebeldia impensada, pode afetar o equilíbrio de uma relação de pais e filhos, e entre pais.

Pensando nisso, a criadora de The Killing, Veena Sud, traz esse clima desconfortável a “Mentira Incondicional” (The Lie, no original). O filme segue dois pais desesperados na tentativa de encobrir um crime horrível, quando sua filha adolescente confessa ter matado impulsivamente sua melhor amiga, levando-os a uma complicada teia de mentiras e engano.

Antes de começar é importante deixar claro: apesar de fazer parte da parceria entre Amazon Prime Video e Blumhouse, e ser lançado no mês do Halloween, Mentira Incondicional não é um filme de terror. O que vemos é um drama, por vezes eficiente ao criar suspense, outras vezes falho em seu ritmo, que tornam 95 minutos, quase 3 horas.

+++ Caixa Preta (Black Box) | Os horrores da mente e o poder do egoísmo
+++ Blumhouse e Amazon Prime Video | O que esperar dessa parceria “aterrorizante”
mentira incondicional

Divulgação: Amazon Prime Video

A trama anda em círculos, já que no início suspeitamos de vários pormenores, provindos da criação de Kayla (Joey King, ótima). A menina sempre foi mimada, e esteve envolta de uma bolha, com o pai Jay (Peter Sarsgaard), acobertando toda e qualquer malcriação.

A partir disso, alguns detalhes começam a ser percebidos, tanto na relação de Kayla com os pais, como nas pessoas que os rodeiam. Um ciúmes exagerado, provindo principalmente da falta de rédeas e possível falta de hierarquia dentro do lar.

A direção quer criar momentos de catarse, mas acaba gerando vergonha alheia na maioria das revelações. Quando o suspense cresce, logo é estragado por uma revelação maior. Se vários momentos de Mentira Incondicional são o ápice, então nada é.

Divulgação: Amazon Prime Video

Isso fica ainda mais claro quando sabemos que o filme é de 2018, e só agora arrumou espaço para estrear no Welcome to The Blumhouse. É perceptível a confusão de tons, já que o roteiro de Veena Sud, não sabe qual caminho seguir. A tensão funciona perto do ato final, mas o caminho até lá é dolorosamente desgastante.

Quando fala sobre o fato de não conhecermos direito nossa família e aqueles que vivem conosco, Mentira Incondicional faz algo parecido com o que Buscando… fez em 2018. A diferença é que o filme de Aneesh Chaganty é muito mais chocante, e a família muito mais agradável.

O que fica é a ótima atuação de Mireille Enos, como a mãe Rebecca. Desesperada, ela se une a dualidade da personagem de Joey King, para montar um ambiente cercado de estranheza, e uma bola de neve (quase literal), de mentiras.


Mentira Incondicional está disponível na Amazon Prime Video.

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

product-image

Mentira Incondicional (The Lie)

3.5

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Supernatural | As 10 músicas mais marcantes da série

Previous article

The 40 Year Old Version | Tudo sobre o filme de Radha Blank na Netflix

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes