0

Lua Vermelha é uma experiência sensorial que leva o homem ao cerne de seus pecados mais íntimos


O cinema experimental é o mais abstrato que existe, pois tem a capacidade de fazer-nos refletir e nos atingir de diferentes maneiras. O uso de imagem e som – por vezes fora de sintonia – são essências para criar um clima único e nos absolver com maestria, algo que “Lua Vermelha” faz com louvor.  

O tempo parece ter parado em uma vila na costa da Galícia, na Espanha. Os habitantes  aparentam uma espécie de paralisia, mas ainda conseguimos ouvir suas vozes: eles falam sobre fantasmas, sobre monstros, sobre a lua vermelha. Três mulheres descem das montanhas e chegam ao povoado em busca de Rubio, um marinheiro que desapareceu no mar.

+++ CRÍTICA: O Problema de Nascer (The Trouble With Being Born) | O mal de ser programado
+++ Mostra de São Paulo 2020 | Confira os filmes e a programação completa do evento

lua vermelha

A produção espanhola de Lois Patiño flerta com horror, pois a sensação inicial é o total desconhecido. Apesar do roteiro de Patiño explicar um pouco da história – na maior parte do tempo estamos apenas contemplando as imagens – e imaginando o que poderia ter acontecido aos habitantes da vila.

Eles parecem perdidos no tempo e castigados por brincarem com a natureza. Rubio é o culpado. E os personagens repetem isso aos montes. Fantasioso e por vezes mitológico, “Lua Vermelha” parece um teatro performático filmado, daqueles em que cada imagem merece ser enquadrada, e tem a fotografia do próprio Patiño.

A presença de atores não profissionais, deixa a paralisação desse universo muito mais autêntica. O final é uma imersão a própria viagem, como se fosse possível ser ainda mais poético e introspectivo, ao dizer que somos a origem do mal.


Filme visto na 44ª Mostra de São Paulo. Saiba mais sobre o evento AQUI.

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

product-image

Lua Vermelha (Red Moon Tide)

7

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Os 7 de Chicago | Uma revolução contida por Aaron Sorkin

Previous article

Kubrick por Kubrick | Um documentário mediano sobre um gigante

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *