0

Mesmo com o final confuso e apressado, “Deus é Mulher e Seu Nome é Petrunya” é uma obra que vai contra o patriarcado e os costumes arcaicos


Desacreditada e com poucas perspectivas, “Deus é Mulher e Seu Nome é Petrunya” começa com a personagem título deitada em sua cama, olhando para cima, ao mesmo tempo em que é julgada pela mãe. A mulher de 31 anos, formada em História, não consegue arrumar um emprego e está há muito tempo solteira, vista como um zero à esquerda por parte da família e dos amigos.

Certo dia, a habitante de Stip na Macedônia sai para uma entrevista e ao retornar vê que está acontecendo um ritual, onde um padre joga uma cruz no rio. Quem pegá-la, terá prosperidade e uma vida boa. O detalhe é que apenas os homens participam e, ousadamente, a moça acaba se jogando na água para pegar a cruz para si.

Gerando a revolta da pequena cidade, Deus é Mulher e Seu Nome é Petrunya discute questões como o patriarcado, a masculinidade tóxica e o machismo disfarçado de religião. Desde o ambiente de trabalho até a forma como é tratada pela polícia, a protagonista vive em um meio sexista.

As escolhas estéticas da diretora Teona Strugar Mitevska, colocam a protagonista no centro, seja ele simbólico ou literal. São belos planos, apesar da cineasta abandoná-los na metade final da fita.

deus é mulher

O poder encontra-se no texto metafórico de Elma Tataragic. Sempre perguntam a Petrunya (Zorica Nusheva) o porquê dela ter pulado e ficado com a cruz, e ela responde: “Eu não sei, foi um impulso”. Por mais simbólico que seja, a personagem não deseja lutar contra o sistema ou provar algo.

Ela sentiu vontade de pular e o fez. Será que não devia ser sempre assim? A mídia está presente na figura da repórter (Labina Mitevska), que deseja tornar tudo maior do que é, comprando e vendendo um discurso feminista para aqueles que a assistem.

A cruz é um símbolo e em “Deus é Mulher e Seu Nome é Petrunya”, a felicidade de tê-la é relativa. Com uma segunda parte lenta e ancorada na atuação de sua protagonista, Deus é Mulher e Seu Nome é Petrunya peca em seu final que tem resoluções confusas e dependentes de um homem.

Filme visto na 43ª Mostra de São Paulo

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

product-image

Deus é Mulher e Seu Nome é Petrunya

7

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Meu Nome é Dolemite: Pretos no Topo

Previous article

O Paraíso Deve Ser Aqui: Crise de identidade palestina

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes