0

“Cured” é um documentário convencional que não deixa de chocar o espectador, ao mostrar que pouca coisa mudou


O documentário de Patrick Sammon e Bennett Singer começa com um aviso. Ele não é recomendado caso você seja homossexual, e tenha enfrentado violência intelectual. Débil mental. Aberração. Doente. E que precisa de cura. Estes foram alguns dos termos psiquiátricos utilizados para descrever lésbicas e homens gays nos anos 1950, 1960 e começo dos anos 1970.

Conforme estabelecido pela classe médica, toda pessoa gay – não importa quão bem ajustada – sofre de uma desordem mental. E já que lésbicas e homens gays eram “doentes”, o avanço em direção à igualdade era impossível. “Cured” narra a batalha travada por um pequeno grupo de ativistas contra a APA (Associação de Psiquiatras da América) – e a vitória crucial que obtiveram, no moderno movimento LGBTQIA+ por igualdade.

+++ CRÍTICA: Cigarra | Traumático passado, esperançoso futuro
+++ Escute nosso PODSEIA EXTRA | MOSTRA DE SÃO PAULO 2020

cured

“Cured” é um daqueles documentários onde o tema se sobressai a questão estética, afinal, você verá depoimentos de figuras importantes da época, fotos, e opiniões absurdas, além de tratamentos nada humanos sugeridos pelos psiquiatras, a fim de “curar” os homossexuais.

O filme também aborda o conceito de união da comunidade, já que na época era cada um por si. Passando por Stonewall em 1969, “Cured” mostra a importância que a mídia, principalmente o audiovisual, tiveram na consolidação da cultura gay americana, na época, uma sociedade muito mais conservadora.

Sammon e Singer fazem questão de exaltar a coragem dos ativistas, nada mais que um pequeno grupo disposto a mudar a cabeça de uma grande corporação, algo visto como impossível nos anos 70. Ao mesmo tempo, “Cured” não é apenas uma celebração do passado, já que a maioria dessas pessoas incríveis estão vivas, e os créditos mostram que aquilo foi apenas o começo de várias outras conquistas.

A produção caminha no limiar entre o pessimismo e a esperança. Os tempos são outros, mas muitas opiniões continuam as mesmas. Em contrapartida, muitas vidas foram mudadas e continuam lutando por mais direitos, servindo como uma espécie de inspiração para os mais jovens.

A persistência e a resiliência sempre estiveram do lado certo, e a intolerância nos faz questionar quem são os verdadeiros doentes.


Filme visto no 28ª festival mix brasil. Saiba mais sobre o evento AQUI.

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

product-image

Cured

8

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Cigarra | Traumático passado, esperançoso futuro

Previous article

Crônicas de Natal 2 | Tudo sobre a continuação natalina da Netflix

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes