0

Não se engane.Crazy Ex-Girlfriend é uma série musical da CW, mas é diferente de tudo que você está pensando que vai assistir.


Começo esse texto dizendo que Crazy Ex-Girlfriend é uma série atípica. Digo isso porque ela se difere de todas as outras que seu canal original julga fazer. A série é sim uma produção do canal americano CW, mas nela não existe nenhum casal adolescente, nem muito menos algum mistério clichê a ser resolvido. Aqui a série abre espaço para problemas como ansiedade, egoísmo, feminismo e porque não doses de psicopatia?

Crazy Ex-Girlfriend gira em torno de Rebecca Bunch (protagonista e co-criadora, Rachel Bloom), uma advogada de sucesso que depois de se encontrar casualmente com o ex-namorado da juventude na rua, decide largar o emprego – e uma promoção importante – e segui-lo até a pequena (ou seria minúscula?) cidade de West Covina, Califórnia, nos arredores de Los Angeles, na esperança de reconquistá-lo. Clichê? Aí que você se engana.

Através do humor, a série zomba dos clichês típicos de uma comédia romântica e explora questões como a saúde mental e as pressões de ser mulher no mundo moderno. A sequência de abertura por exemplo, já no início cita o nome da série “Crazy Ex-Girlfriend” como um termo sexista.


LEIA MAIS

+++ Good Girls é pura diversão
+++ Inacreditável
+++ Qual é a melhor temporada de American Horror Story

A protagonista Rebecca é independente financeiramente, tem orgulho de ser uma profissional bem-sucedida, cursou Harvard e aparentemente é um exemplo para a sociedade, certo? Errado! No decorrer dos episódios Rebecca se mostra egoísta, emocionalmente instável, hipócrita, viciada em remédios e cheia de traumas que carrega da infância. Pode parecer pesado, mas note que já estamos no quarto parágrafo e em nenhum momento citei a forma como isso é mostrado da na série: ela é um musical.

Desde o desaparecimento de Glee, as grades de programação tornaram-se órfãs de séries musicais. E aqui esses números dão um toque “non sense” à trama que a torna especial. Com no mínimo 2 números musicais originais por episódio, a série trata de temas mentais com sarcasmo e ironia. As músicas, inspiradas na Broadway são inteligentes, politicamente incorretas e fazem críticas ferrenhas ao momento em que a personagem passa.

Além de suas canções, personagens ou enredos, por trás do Crazy Ex-Girlfriend, encontramos algumas mensagens importantes sobre comportamentos prejudiciais em nossa sociedade. Durante seus dois primeiros anos os números musicais da série abordaram temas diversos, sempre com seu habitual tom sarcástico, como o alcoolismo, as traições ou os triângulos amorosos. Outros tópicos truculentos abordados durante os dois anos iniciais do show, e que deram um pouco mais de vida às séries foram: o aborto, as infidelidades ou a difícil conciliação do trabalho com a vida familiar.

Crazy Ex-Girlfriend cw

Em determinados episódios a série ainda se permite focar nos coadjuvantes Josh Chan (Vincent Rodriguez III), Paula (Donna Lynne Champlin), Greg (Santino Fontana), Darryl (Pete Gardner), e Heather (Vella Lovell), e no fim, acabamos percebendo que problema atinge muito mais do que só Rebecca. Todos ali têm algum tipo de problema, cada um à sua maneira.

Com uma terceira temporada recém-chegada na Netflix, poderemos continuar desfrutando de mais uma leva de episódios dessa comédia engenhosa, melodicamente nova e autoconsciente, cuja sátira e clichê social parte de uma simples história romântica, além da constante análise psicológica que torna sua mentalmente irregular protagonista, eles fazem ser muito mais do que uma simples “série musical”.

Santa Clarita Diet 2ª Temporada

Previous article

Ricky Gervais – Humanidade

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Séries