0

“Cigarra” usa de uma relação inter-racial para falar de diferenças sociais e traumas do passado


O início genérico de “Cigarra”, denota um problema em produções que tratam do mundo homossexual masculino: a artificialidade. Tudo e qualquer pessoa é descartável para os personagens, por isso, talvez o filme não atraia tanta atenção logo de cara. Mas vou usar a historinha do pote de ouro no final do arco-íris, para ilustrar esse pensamento.

Após uma série de encontros mal sucedidos e embaraçosos com mulheres, o jovem bissexual Ben, decide “voltar aos pintos”. Ele desenvolve uma intensa relação com Sam (Sheldon D. Brown, co-roteirista), um homem negro que também está lidando com suas próprias feridas. Enquanto o verão avança e a intimidade entre eles cresce, os passados de Ben e Sam, aparecem para a superfície.

+++ CRÍTICA: Os Fortes | “Amor de Verão”
+++ Escute nosso PODSEIA EXTRA | MOSTRA DE SÃO PAULO 2020
cigarra

Cigarra / Foto: Divulgação

Aos poucos se aprofundando emocionalmente na vida de ambos, o filme de Matthew Fifer (que estrela, escreve, produz e edita o longa), em parceria com Kieran Mulcare, desconstrói os estereótipos iniciais de seu protagonista. Ben começa apático, entediado, dono de uma vida sexual ativamente fácil, mas aos poucos se revela um jovem cheio de traumas e fraquezas.

A combinação espontânea com Sam é imediata, e não carece de maiores explicações e conversas sobre gostos e afinidades. Os dois se gostam e pronto. Ao relembrarem o passado, momentos de abuso reacendem, cada um com seu recorte social/racial, experiência, auto-aceitação e impacto.

Cigarra / Foto: Divulgação

Quando sai dessa profundidade, tanto na relação, quanto na leitura das personalidades, “Cigarra” perde seu foco, tornando-se um filme com belas imagens, regadas a uma trilha pop e só.

A produção volta aos eixos quando se utiliza de um humor peculiar, principalmente vindo da figura da terapeuta Sophie, numa participação especial de Cobie Smulders. Essa forma de encarar as maiores dores, através de piadas, tornam Ben e e Sam mais ricos, individualmente e como um casal.

A partir daí, “Cigarra” começa um processo de cura nada fácil. Ben precisa reaver sua infância, e Sam sua relação com a masculinidade, principalmente em meio a homofobia que assola a comunidade negra americana. Há espaço para o romance? Claro. Mas não dizem que para ser feliz com outrem, você deve ser feliz sozinho?


Filme visto no 28ª festival mix brasil. Saiba mais sobre o evento AQUI.

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

product-image

Cigarra

8

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Os Fortes | “Amor de Verão”

Previous article

Cured | Não há cura para o que não é doença

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes