AODISSEIA
Filmes

Chuvas Suaves Virão (Vendrán Lluvias Suaves): Fantasia sonolenta

Inocência e ingenuidade pela perspectiva de uma criança.


10 de outubro de 2019 - 14:21 - Tiago Soares

Filmes protagonizados por crianças tem sempre a obrigação de serem simpáticos. Facilmente, você acaba se apegando a qualquer uma delas, justamente por serem crianças. Sempre existiu um nicho especial de filmes com a criançada, feito quase que exclusivamente para os adultos, e “Chuvas Suaves Virão” (Vendrán Lluvias Suaves) é justamente isso. O drama argentino imagina uma bela noite, onde surpreendentemente os adultos de uma cidade adormecem e não acordam mais. No dia seguinte, apenas as crianças estão animadas correndo pela casa e chamando os pais, mas quem acredita que estamos diante de um filme leve no estilo “Esqueceram de Mim” se engana.

O diretor argentino Iván Fund, está interessado em mostrar a interação desses pequenos, e como eles vão se virar num mundo em que dependem de adultos para quase tudo. Amizades são formadas, relações de companheirismo e cumplicidade são desenvolvidas. A trilha sonora que mistura um piano suave com uma espécie de som retirado de um desenho animado vêm a calhar, devido aos momentos divertidos. A falta de desenvolvimento de cada um deles talvez seja o grande problema do roteiro, pois quando olhamos para o todo é difícil identificar cada um por sua personalidade.

Em todos os diálogos, nenhum deles se pergunta o que poderia ter acontecido, o que é estranho devido a curiosidade infantil. O pequeno grupo está interessado apenas em levar a personagem de Alma Bozzo Kloster para sua casa, onde precisa ver como o irmão mais novo está. Sendo assim, o filme se torna um road movie contemplativo, cercado de belas imagens ao pôr do sol, e páginas de livro desenhadas entre capítulos, já que o filme é baseado num livro dos anos 50, escrito por  Ray Bradbury.

Mesmo sendo infantil em sua maior parte, “Chuvas Suaves Virão” brinca com o fantástico, mas seria spoiler falar muito mais do que isso. Iván Fund, se limita a filmar suas crianças vagando por uma cidade fantasma, em um visual pós apocalíptico e a presença constante de animais. Esperando que os pais despertem, eles almejam apenas um fim do sono repentino, numa trama delicada, vagarosa e bela.

 

Filme visto na 43º Mostra de São Paulo