AODISSEIA
Filmes

Critica: Busca Implacável 3


4 de fevereiro de 2015 - 12:00 - Flávio Pizzol

1195

Chegou ao fim a franquia que deu novos rumos à carreira do sessentão Liam Neeson, já que podemos cravar que ele virou astro de ação após Bryan Mills. O primeiro filme tinha todo aquele frescor de novidade e acabou sendo um filme-pipoca bem legal. O segundo já começou a dar sinais de desgaste na fórmula. E o terceiro encerra a trilogia, seis anos depois, sendo o mesmo filme de sempre.

O novo filme passa a seguir Bryan Mills após o assassinato de sua ex-mulher, Lenore, em seu apartamento. Tudo indica que Bryan é o assassino e ele corre contra o tempo para provar o contrário e salvar sua filha, enquanto é perseguido por um inspetor metódico e inteligente.

Esse filme começa um pouco diferente, sendo um pouco mais lento e dramático. O início acaba sendo bem arrastado, com a tensão e ação demorando para ocupar o espaço, mas isso é importante para demonstrar qual é a nova dinâmica da história. Uma dinâmica que só é realmente diferente dos outros filmes até a morte de Lenore. A partir daí, a única coisa realmente diferente é que Bryan não é só o caçador, como também é caçado pela polícia.

Tirando isso, tudo se repete nesse terceiro longa. Mesmo com Bryan tendo menos tempo de tela, o porradeiro, as explosões e as torturas não perdem o espaço. Eu sei que foi isso que agradou a maior parte do público, porque o anteriores também não tinham roteiros muito elaborados, entretanto a repetição de acontecimentos representa que toda a apresentação daquela nova dinâmica foi inútil e que teremos zero de desenvolvimento de personagens e zero de surpresas. É um filme completamente previsível e considero ser uma bela ironia ver essa palavra ser repetida tantas vezes logo nas primeiras cenas.

A direção continua nas mãos de Olivier Megaton, francês responsável por muitos filmes desse tipo. No entanto, esse é o pior filme dele como diretor, porque ele realmente pisa na bola e atrapalha as cenas de ação. É tudo muito confuso, tremido e editado agressivamente, tornando a tarefa de acompanhar a ação mais complicada. Isso prejudica o melhor aspecto do filme, já que nem as lutas bem coreografas aparecem da maneira correta.

Ele acerta nas partes mais lentas, com uma câmera, curiosamente, intimista e segura, mas peca muito na ação. Diversas cenas fizeram com que eu achasse que estava vendo algum filme da franquia Transformers, principalmente quando os carros eram envolvidos. Alguém tem que explicar para Olivier que Michael Bay não é um bom exemplo a ser seguido.

Pra variar um pouquinho, Liam Neeson vai ser o responsável por segurar o filme com seu tipo fechado e incrivelmente carismático. Hoje, podemos dizer que Neeson já é um especialista na construção desses personagens arrogantes, violentos e extremamente caricatos de uma maneira que agrade e impressione o público. Mesmo dividindo boa parte do seu tempo de tela com Forest Whitaker, ele ainda é o astro que mantém o filme vivo e interessante.

O presença do veterano e vencedor do Oscar Forest Whitaker é um dos poucos elementos surpresa do filme, já que não estamos acostumados a ver no ator nesse tipo de produção. Entretanto, por mais que seja um ótimo ator, Forest não tem o carisma do seu companheiro de tela e constrói um personagem caricato, fraco e cheio de tiques inexplicáveis.

Os outros coadjuvantes também atuam no automático sem ligar pro seu tempo de tela ou sua importância na trama. Os outros filmes também são assim, mas achei que esse pesou a mão, principalmente por usar mais personagens já conhecidos dos outros longas. Famke Janssen, Dougray Scott e Maggie Grace (que teve maior destaque nos outros) não fazem nada demais.

Um filme que deixa claro o quanto a fórmula da franquia se desgastou e deixou tudo muito clichê, mas que, ao mesmo tempo, ainda consegue divertir sem nenhuma pretensão maior. O filme não é bom e suas cenas de ação as reviravoltas são fracas, mas a boa e velha pancadaria com Liam Neeson ainda vai agradar alguns fãs.

OBS 1: O que aconteceu com Sam? Morto ou vivo?

OBS 2: Por que diabos o inspetor fica com aquela peça de xadrez na mão o tempo todo?

OBS 3: Pra finalizar, coloco aqui um dos meus comercias favoritos do Super Bowl desse ano, exatamente porque brincar com Liam e fazer referência à franquia em questão: