0

Forte documentário da HBO, “Bem-Vindo à Chechênia” anda no limite entre a denúncia e o fetichismo


Parte do título deste texto, é uma das formas como Ramzan Kadyrov, líder checheno, classifica os homossexuais. Essa divisão que faz a Chechênia – território do sul da Rússia que faz fronteira com uma região mulçumana  – entre humanos e sub-humanos, é dita em letras garrafais, sem nenhuma vergonha ou apreço pela vida.

“Bem-Vindo à Chechênia” nos leva para dentro do trabalho de um grupo clandestino de ativistas, que enfrentam enormes riscos para resgatar vítimas LGBTQIA+ da brutal campanha governamental da Chechênia. A república, que faz parte da federação russa, é um local onde a comunidade LGBTQIA+ vive sob medo, ameaça de detenção, tortura e morte, ações que, na maioria das vezes, são cometidas pelas mãos das próprias autoridades.

+++ CRÍTICA: 17 Quadras (17 Blocks) | Ultrapassando os horrores do sistema
+++ Os 31 filmes gratuitos da Mostra de São Paulo 2020

bem-vindo à chechênia

Todos os elementos citados nesta sinopse, são mostrados no documentário de David France. Apresentando vítimas de violência física e psicológica, o filme caminha numa linha tênue entre denunciar esses abusos, ao mesmo tempo em que escancara tudo, denotando certa falta de respeito, e sem nenhum aviso de gatilho inicial.

“Bem-Vindo à Chechênia” é uma produção para quem tem estômago forte. Não exclusivamente só para quem é LGBTQIA+, mas também para mulheres de todas as orientações sexuais, pois há doses cavalares de misoginia. A história de Anya, uma das figuras centrais de uma fuga no estilo cinematográfico, beira o absurdo, principalmente em seu fim.

Os ativistas David Isteev e Olga Baranova, figuras mais recorrentes em “Bem-Vindo à Chechênia”, se arriscam para salvar vidas numa eterna busca pela sobrevivência, e as vítimas – para não terem suas vidas mais prejudicadas ainda – utilizam da tecnologia deep fake em seus rostos, trocando-os por faces de ativistas nova-iorquinos.

 Os raros momentos de descontração nos abrigos, são filmados em planos fechados, como se estivessem presos e não pudessem ser quem são. Histórias de amor são contadas, vozes são ouvidas, ativistas se tornam vítimas, e infelizmente, o ciclo parece se repetir. Nada melhora em “Bem-Vindo à Chechênia”.

David Isteev termina dizendo que “se não nos matam, já é uma vitória”. De certa forma, essa é uma visão pessimista de um mundo cada vez mais cruel, com aquilo que é julgado como diferente – e levanta a questão de quem são de fato – os sub-humanos.


Filme visto na 44ª Mostra de São Paulo. Saiba mais sobre o evento AQUI.

Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

product-image

Bem-Vindo à Chechênia

9

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Cidade Pássaro | A contraditória magia de São Paulo

Previous article

Bárbaros | Série da Netflix terá uma 2ª temporada?

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *