1

A Forma da Água é uma daquelas fábulas fantásticas que conseguem passar sua mensagem de uma forma doce e surpreendente, martelando na cabeça durante um bom tempo e nos fazendo pensar se na verdade os monstros são as criaturas de Del Toro ou nós, os humanos.

O filme é uma poesia romântica, apoiada na sutileza do silêncio. A Forma da Água conta sua história com poucas palavras, mas cheia de elementos visuais ancorados numa trilha sonora arrebatadora, cantando cada sensação que os personagens possuem.

Guilhermo del Toro é famoso por fazer criaturas excêntricas e trazer personalidades à elas, significando cada um de seus personagens. Hellboy, Labirinto do Fauno e Círculo de Fogo, por exemplo, são alguns filmes que mostram a versatilidade do diretor mexicano, seja de forma lúdica ou mesmo tecnológica. Cada um traz uma beleza peculiar e estranhamento à primeira vista. Mas com passar do tempo, cria-se um costume visual e descobrimos que elas vão muito além do que se apresentam.

A Forma da Água é uma ode à beleza dos incompreendidos. Elisa, vivida por Sally Hawkins (Godzilla), é uma pessoa muda que conversa com o mundo em seus gestos. Sua curiosidade ao ver pela primeira vez A Criatura (Doug Jones – Star Trek: Discovery) foi o reflexo de sua vida e da sociedade em que ela vive. Estar nos anos 60 é conviver com todas as particularidades daquela época. A paranoia da Guerra Fria, o racismo, o ideal de família americana e a diferença de classes são retratados por Del Toro em tom de crítica entre as linhas do roteiro e Elisa quebra cada uma dessas “regras”, desvirtuando essas premissas sociais como se elas nem existissem.

 

 

Hawkins faz um trabalho incrível, deixando para suas expressões corporais dizerem o que sua boca não consegue. Em certa parte, um momento La La Land destoa do restante do filme e podemos ouvir sua voz. Do contrário, suas vontades gritam o tempo todo sem que uma palavra seja dita. Entendemos perfeitamente sua indicação ao Oscar.

Michael Shannon vive a pele do Dr. Strickland, um vilão clássico dos filmes da Disney. Suas motivações são muito bem construídas e, até certo ponto, entendemos que sua vilania é mais pelo cargo que ocupa do que pelo seu maniqueísmo exacerbado. Mas lá pelo fim do segundo ato, Shannon deixa a maldade fluir e entrega um Dr. paranoico em busca de realização egocêntrica.

Os outros coadjuvantes de A Forma da Água também estão no limite de seus personagens. Otavia Spencer, Michael Stulhbarg e Richard Jenkins complementam as ideias de Elisa e ajudam a personagem a chegar no desfecho do seu arco principal.

 

 

Cada cena de A Forma da Água parece um papel de parede diferente do Windows. O jogo de luzes, a direção de arte e a fotografia, ancorados numa trilha sonora arrebatadora, criam uma das melhores obras que tive a oportunidade de acompanhar. Por mais que uma ou outra ideia tenham sido pouco exploradas, não diminui sua absurda experiência cinematográfica. Um filme redondinho, belíssimo e com uma mensagem de vida ao melhor estilo fábula.

Entender que o monstro tem sentimentos como os meus e os seus dá a empatia necessária para perceber que o problema não é ele ser diferente. É a sociedade pensar igual. E isso é tão atual que nem parece uma história de meio século para trás.

Pantera Negra no Quarteto Fantástico

Previous article

Todos os trailers do Super Bowl LII

Next article

You may also like

1 Comment

  1. […] vencedor do Oscar por A Forma da Água, emula uma trilha cercada de referências e homenagens a cultura japonesa, em especial Hayao […]

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes