Criptofraude: Conheça a história real do documentário da Netflix

Criptofraude: Conheça a história real do documentário da Netflix 3
Foto: Divulgação Netflix

Criptofraude é novo documentário da Netflix que mostra uma exploração libertina de um dos primeiros casos de fraude da era cripto.

Fundadores inexperientes, um produto inexistente e um CEO misterioso que parece estar desaparecido – o que poderia dar errado? Criptofraude, o novo documentário do diretor Bryan Storkel (The Pez Outlaw), embarca na loucura das criptomoedas do final da década de 2010 e desvenda a história da Centra Tech, uma empresa de criptomoedas idealizada por alguns espertalhões do sul da Flórida com habilidades em Photoshop e um gosto por uma vida extravagante.

“O Crypto era apenas esse novo território inexplorado, completamente não regulamentado”, explica Ray Trapani, co-fundador da Centra, no documentário da Netflix. “Sempre que você encontra um mercado assim, você só precisa descobrir como explorá-lo”.

Trapani e seus comparsas conseguiram fazer isso com sucesso por um tempo, arrecadando milhões de dólares em captação de recursos não regulamentados ao longo do caminho. Mas quando um repórter do New York Times – e, eventualmente, as autoridades – começaram a fazer perguntas, a teia de mentiras da Centra desmoronou.

Usando entrevistas originais com Trapani, sua família e seus cúmplices, além de uma vítima que investiu dinheiro na Centra e os investigadores que eventualmente expuseram as más práticas da empresa, Criptofraude joga luz sobre quão fácil pode ser criar a ilusão de uma empresa legítima.

Criptofraude é o novo documentário da Netflix
Foto: Divulgação Netflix

Quem é Ray Trapani em Criptofraude?

Autodenominado vigarista, Trapani diz em Criptofraude que sempre foi atraído pela atividade ilegal. “Desde criança, eu sempre quis ser um criminoso”, diz ele no documentário. “Nunca foi tipo, ‘Eu vou ser um médico’ ou ‘Eu vou ser um cientista’. Se eu pudesse ter colocado no meu anuário, eu teria colocado: ‘Eu quero ser um criminoso'”.

Em Bitconned (nome original do documentário), Trapani diz que sua primeira tentativa adolescente de realizar seu sonho envolvia usar um bloco de receitas médicas roubado para obter drogas, que ele e seus amigos poderiam então vender a preços mais altos. Quando esse esquema deu errado, ele se associou a dois ex-colegas de classe em um negócio legítimo: aluguel de veículos exóticos e de luxo para a clientela mais rica de Miami.

Gastos desenfreados e despesas comerciais suspeitas ameaçaram o futuro da empresa, e uma dívida crescente e depressão eventualmente levaram Trapani a tentar tirar a própria vida. Quando Sam “Sorbee” Sharma, um colega de classe do ensino médio e um dos comparsas de aluguel de carros, o informou sobre o incrível potencial do mercado de criptomoedas em expansão, Trapani viu uma oportunidade de ouro para recuperar o dinheiro necessário para pagar suas dívidas – e mais um pouco. Assim nasceu a Centra Tech.


Confira também: A Grande Ilusão: Conheça elenco e história do primeiro grande sucesso da Netflix em 2024

Criptofraude: Conheça a história real do documentário da Netflix 4
Foto: Divulgação Netflix

O que é a Centra Tech?

Em 2017, Trapani e Sharma lançaram a Centra Tech, que afirmava estar levantando fundos por meio de uma oferta inicial de moedas (ICO) para uma criptomoeda chamada Centra. Centra, assim como outras criptomoedas – incluindo Bitcoin, Ether e Dogecoin -, é uma espécie de moeda digital cujas transações são conduzidas por meio de um sistema descentralizado, ou seja, sem depender de qualquer banco ou governo.

Além da moeda em si, a Centra Tech também afirmava estar criando um cartão de débito real que permitiria aos usuários gastar Centra e várias outras moedas virtuais em tempo real.

“A Centra era o arquétipo do que estava errado com as criptomoedas”, diz Nathaniel Popper, o jornalista do New York Times que eventualmente expôs as reivindicações fraudulentas da Centra, no documentário. “De certa forma, a Centra era a história das criptomoedas em si, que é um empreendimento que tem algo real por baixo, mas continua falhando… e mesmo assim as pessoas continuam voltando para isso.”

Segundo o site da Centra Tech, o cartão de débito proposto pela empresa seria operado na rede Visa, e a equipe executiva era versada nos mundos dos negócios e das finanças: a equipe executiva ostentava diplomas de Ivy League e anos de experiência trabalhando para instituições financeiras estabelecidas.

O único problema? Nenhum desses detalhes era verdadeiro.

“Nós não sabíamos nada sobre esse maldito negócio”, explica Trapani no documentário. “Mas isso não importava. … Nós mentimos, trapaceamos, fizemos milhões de dólares”.

Em 2017, um número sem precedentes de novas criptomoedas começou a se apresentar diretamente para investidores com ICOs, uma espécie de forma não regulamentada de financiamento coletivo.

“Durante o boom das ICOs, você tinha pessoas fazendo esses projetos sérios – jovens com doutorado em Stanford, no MIT – ao mesmo tempo em que tinha esses jovens que eram agentes em empresas de aluguel de carros em Miami que estavam levantando a mesma quantia de dinheiro que os doutores do MIT – sem nenhuma experiência”, explica Popper.

Criptofraude: Conheça a história real do documentário da Netflix 5
Foto: Divulgação Netflix

O que aconteceu com Ray Trapani e a Centra Tech?

À medida que o dinheiro da ICO entrava, a equipe da Centra Tech obteve endossos de celebridades de peso como Floyd Mayweather Jr. e DJ Khaled, o que só aumentou sua popularidade entre os investidores.

Quando Popper começou a trabalhar em uma matéria sobre endossos de criptomoedas por celebridades, ele entrou em contato com a Centra para discutir seus embaixadores A-list e descobriu que algo sobre o negócio não estava bem. Lisonjeado pela atenção do jornal de referência, Trapani concordou com uma entrevista e convidou um fotógrafo do Times para visitar os novos escritórios da Centra.

Sob escrutínio intensificado, as rachaduras nas promessas fundamentais da Centra começaram a aparecer, especialmente quando investidores e repórteres começaram a fazer mais perguntas sobre Michael Edwards, o CEO da empresa.

Anunciando como um veterano da indústria financeira, investidor original e investidor oculto mais inclinado a trabalhar nos bastidores do que falar diretamente com a imprensa, a Centra anunciou que Edwards havia morrido tragicamente em um acidente de carro e um novo CEO tinha sido nomeado: o avô de Trapani.

Quando a matéria de Popper foi publicada e o mundo viu as discrepâncias da Centra impressas, não demorou muito para que as autoridades batessem à porta. A Comissão de Valores Mobiliários e Câmbio moveu uma queixa contra a Centra, momento em que o dinheiro começou a evaporar e os principais jogadores da empresa – Trapani, Sharma e o suposto stripper transformado em CFO Robert Farkas – eventualmente foram condenados por vários crimes.

Sharma se declarou culpado por conspiração para cometer fraude em títulos, fraude eletrônica e fraude postal, e ainda cumpre sua sentença de oito anos. Farkas se declarou culpado por conspiração para cometer fraude em títulos e fraude eletrônica. Ele passou um ano na prisão e foi libertado. Trapani, que colaborou com as autoridades federais e se declarou culpado de 10 acusações, incluindo fraude em títulos e fraude eletrônica, foi condenado a tempo já cumprido.


Confira também: De Volta às Raízes: Novo dorama da Netflix é nostálgico na medida certa

Veja o trailer

Total
0
Shares
Previous Post
A Grande Ilusão: Conheça elenco e história do primeiro grande sucesso da Netflix em 2024 8

A Grande Ilusão: Conheça elenco e história do primeiro grande sucesso da Netflix em 2024

Next Post
Limites: Filme de 2018 com Vera Farmiga e Christopher Plummer é destaque na Netflix 9

Limites: Filme de 2018 com Vera Farmiga e Christopher Plummer é destaque na Netflix

Related Posts