AODISSEIA
Especial

CCXP 2018: A Spoiler Night e suas vantagens

A feira antes da feira sem ser golpe...

6 de dezembro de 2018 - 07:59 - Flávio Pizzol

A “noite do spoiler” não é uma novidade exclusiva das terras tupiniquim, mas chegou aqui com força no ano passado e os motivos são simples: é um dia mais vazio onde você descobre as novidades da feira antes de todo mundo e consegue aproveitar algumas com um número considerável menor das famigeradas filas. Isso se os seus objetivos não forem o estande de Game of Thrones, as ativações da Netflix ou a loja de Harry Potter, orque você precisa correr mesmo e mofar em qualquer dia de evento. O único desses que nós conseguimos aproveitar foi a loja, mas gastamos dinheiro e vamos voltar no tempo um pouquinho antes de falar sobre isso.

Afinal de contas, a nossa Spoiler Night começou ainda mais cedo por causa da coletiva de imprensa com o CEO do Omelete e da CCXP, Pierre Mantovani. Ele falou sobre a primeira edição internacional do evento – que vai rolar em Colônia, Alemanha, no ano que vem -, a ampliação do evento nacional e sobre como a imprensa especializada do mundo todo tem classificado a CCXP como o evento de cultura pop mais influente do mundo. Tudo graças a mais de 55 astros de Hollywood (alguns que não foram anunciados e vão balançar com a galera), mais de 530 quadrinistas no maior Artist’s Alley do ocidente e uma grande quantidade de material exclusivo que também invadirá essa site durante nossa cobertura.

Depois disso, nós aproveitamos a posição privilegiada para tirar foto com o Bicuço gigante que foi montado no canto da feira e entrar na fila da tal loja de Harry Potter. Um destaques do evento até para quem só ia andar – eu – e voltou pro hotel com um Mapa do Maroto, um chaveiro e três histórias em quadrinhos. Isso depois de encontrar artistas do Beco e até mesmo uma galera de tv que falava putaria e zoava adoidado (mais sobre isso no meu Twitter) naquela vibe alto astral que só um evento como esse consegue ter.

Mas independente de tudo isso, o objetivo de hoje era exclusivamente andar e aproveitar algumas interações sem fila, ganhando alguns brindes para satisfazer a vontade de quem não tem dinheiro no bolso (eu também). Uma dessas coisas foi um jogo em realidade virtual relacionado com a série Ilha de Ferro da Globoplay. Uma experiência simples que certamente não impressionaria nenhum gamer de plantão, mas que gera alguns calafrios na altura pra quem não está acostumado com a novidade. O resultado é uma foto idiota e um mês grátis de um serviço de streaming em franco crescimento.

Além disso, valeu uma passada nos estandes – cada vez maiores – dos estúdios. A Sony preparou muita coisa ligada aos novos filmes das franquias de MIB e Homem-Aranha. A Disney, mesmo sem nada novo pra apresentar sobre essa galáxia distante, separou um espaço enorme de Star Wars e construiu vários ambientes sobre Capitã Marvel, Aladdin, Toy Story 4, Wi-fi Ralph e Dumbo (olha esse 2019 dos caras). E a Warner tem gincanas e muitos brindes relacionados a Godzilla, Shazam, Detetive Pikachu, Creed 2 e suas séries de televisão.

Tudo com muita interação, porque essa, no final das contas, é a alma da CCXP. Criar experiências que mexam com os corações dos nerds de todas as idades, aproximando-os dos seus filmes e conteúdos favoritos. E, pra isso, você não precisa gastar grana com exclusivos ou coisas assim… Basta ser você, encontrar seus semelhantes e ser feliz!