0

Atendado em Londres é uma história real de um terrorista por trás dos atentados à capital londrina em 1999. 

Veja mais detalhes do documentário que estreia na Netflix


Nail Bomber: Manhunt, ou Atentados em Londres no título em português, é o novo documentário policial da Netflix sobre os ataques com bombas e pregos que ocorreram em Londres no final da década de 90.

Ao longo de três fins de semana, bombas recheadas de pregos caseiras foram detonadas em Londres, em Brixton Market, Brick Lane e pub Admiral Duncan na região de Soho, matando três pessoas e ferindo mais de 140.

O documentário narra toda a história de como um extremista de extrema direita visou as comunidades negras, de Bangladesh e LGBTQIA+ de Londres, como foi capturado e como essas comunidades se uniram para superar a tragédia.

Atentados em Londres é o novo documentário da Netflix

Foto: Reprodução

Atentados em Londres: A verdadeira história do ataque

Em abril de 1999, três bombas com pregos foram detonadas em Londres. A primeira foi colocado em uma sacola que foi deixada no Brixton Market, em uma movimentada tarde de sábado. Quando explodiu, feriu mais de 40 pessoas, incluindo um menino de 2 anos de idade.

No sábado seguinte, uma sacola cheia de pregos explodiu em Brick Lane, ferindo 13 pessoas. O estrago só não foi maior por que um rapaz que passava pelo local viu a sacola suspeita, a pegou e colocou em seu carro para levar até a delegacia mais próxima antes que explodisse dentro do próprio carro.

A terceira bomba, plantada no pub Admiral Duncan na Old Compton Street, Soho, foi a mais devastadora. Ele explodiu numa sexta-feira, 30 de abril, dentro de um pub lotado, matando três pessoas e ferindo mais de 70, algumas das quais guardam as sequelas até hoje.


Trailer

Quem foi David Copeland, autor do Atentados em Londres

Apoiador de extrema direita e membro do Partido Nacional Britânico (BNP), ele tinha apenas 22 anos quando executou os ataques.

Suas bombas, escondidas em bolsas esportivas, eram feitas de pregos, pólvora de fogos de artifício e outros componentes ilícitos, que foram montadas a partir de instruções que ele encontrou na internet sobre como construir bombas.

Foto: Reprodução

Durante o interrogatório, David Copeland fez uma confissão completa e explicou suas razões para realizar os ataques:

“Minha principal intenção era espalhar o medo, o ressentimento e o ódio por todo o país”, disse ele.

“Meu objetivo era político. Era para causar uma guerra racial neste país. Haveria uma reação das minorias étnicas, então todos os brancos sairiam e votariam no BNP”.

Foto: Reprodução

A Linha do tempo do documentário Atentados em Londres na Netflix

  • Sábado, 17 de abril de 1999

Uma bomba de pregos explode na Electric Avenue em Brixton, Londres às 17:25. 48 pessoas ficaram feridas.


  • Segunda-feira, 19 de abril de 1999

Um grupo de extrema direita chamado Combat 18 assume a responsabilidade pelo ataque em Brixton.


  • Sábado, 23 de abril de 1999

Pouco depois das 17:45, uma bomba explode em Brick Lane, East London, danificando carros, prédios e ferindo 13 pessoas.


  • Quinta-feira, 29 de abril de 1999

Uma filmagem na hora do atentado de Brixton é mostrada na TV, com um suspeito em destaque. A foto também é veiculada para a imprensa e nos jornais de sexta-feira.


  • Sexta-feira, 30 de abril de 1999 – 17h

Paul Mifsud liga para o esquadrão antiterrorista para dizer que reconhece o homem na foto e que o nome dele é David Copeland.

  • 18:37

Uma bomba explode dentro do pub Admiral Duncan em Soho, Londres. Três pessoas morreram e 79 ficaram feridas.

  • 21h

Duas horas após o bombardeio, um grupo de extrema direita chamado White Wolves liga para a BBC reivindicando a responsabilidade pelos ataques. Por volta desse horário, a polícia obtém o endereço de David Copeland e começa a planejar uma operação em sua casa.


  • Sábado, 1 de maio de 1999

Nas primeiras horas do sábado, oficiais do Flying Squad da Scotland Yard prendem Copeland em sua casa em Sunnybank Road, Cove, em Hampshire. Ele confessa os atentados.


  • Sexta-feira, 30 de junho de 2000

David Copeland é considerado culpado e condenado a seis penas de prisão perpétua em Old Bailey, com uma pena mínima de 30 anos.


  • Sexta-feira, 2 de março de 2007

O Juiz do Tribunal Superior, Sr. Justice Burton, anuncia, devido à nova legislação, que a sentença mínima de Copeland será aumentada para 50 anos.


  • Segunda-feira, 27 de junho de 2011

David Copeland perde um recurso judicial pedindo para reduzir sua sentença mínima.


  • Quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Após um ataque a um colega de prisão em junho de 2014, Copeland é condenado a mais três anos de regime fechado.


Foto: Reprodução

Como David Copeland foi capturado?

Copeland foi reconhecido por ser visto em imagens de câmeras de segurança no local do ataque a Brixton. Sua imagem foi amplamente divulgada na mídia.

Um de seus colegas de trabalho, Paul Mifsud, reconheceu Copeland em um jornal, mas não tinha certeza se era ele. Em entrevista a TV local, Paul relembrou o que aconteceu:

“Comprei todos os jornais daquele dia e comecei a folheá-los, e algumas fotos simplesmente não pareciam com ele”, disse. “Fui ao jardim, vi minha esposa e disse: ‘Se você me perguntasse como é a aparência de David, eu teria que dizer assim’, e mostrei a ela a foto. Eu disse, ‘O que devo fazer?’ Ela me disse para ligar para o Esquadrão Anti-Terrorista imediatamente.’ Eu então entrei em casa liguei para eles”.

De acordo com relatos, a ligação de Mifsud para a polícia veio apenas 80 minutos antes da bomba que Copeland havia colocado no pub Admiral Duncan explodir.

No entanto, a polícia agiu rapidamente após a denúncia, e por volta das 21h, estava se preparando para ir até o endereço de Copeland em Hampshire para interrogá-lo.

Graeme McLagan, um repórter londrino que cobria o atentado, à época, comentou que não consideravam Copeland um primo suspeito.

“Os oficiais foram desarmados. Não tinha ninguém de guarda. O alvo deles não era o principal suspeito”, disse McLagan. “Mas numa sala de cima eles encontram o homem. Eles também descobriram que havia um armário cheio de explosivos. Pegos de surpresa, os policiais prenderam Copeland e fecharam rapidamente a sala”.

Durante sua prisão, Copeland confessou os três atentados em Londres.

Atentados em Londres está disponível na Netflix

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Netflix