As Verdades – Crítica | Confusão proposital

as verdades
Foto: Divulgação Gullane

Em “As Verdades”, José Eduardo Belmonte entrega o filme mais contemplativo de sua carreira


Se você assistiu ao filme “O Último Duelo”, produção de Ridley Scott lançada no ano passado, vai relaciona-la diretamente a este filme.

Apresentando uma história de pontos de vista distintos, “As Verdades” usa de uma narrativa observadora e lenta para contar uma trama de mistério. Mas, será que na mão de José Eduardo Belmonte (o dinâmico diretor de Alemão 1 e 2), isso deu certo?

Confira também: Trevor: O Musical e outras produções musicais no Disney Plus

As Verdades - Crítica | Confusão proposital 4
Foto: Divulgação Gullane

Qual a trama de As Verdades?

Em “As Verdades”, o policial Josué (Lázaro Ramos) tem que resolver um crime contra o empresário Valmir (José Carlos Machado), em um pequeno município do sertão. A história acontece através de três pontos de vista.

Primeiro: o crime é contado por Cícero (Thomás Aquino), um matador de aluguel. Segundo: a história é narrada pelo ponto de vista de Francisca (Bianca Bin), a noiva do empresário. Terceiro: é revelado o ponto de vista de Valmir, que sobreviveu.

O que achamos do filme?

As Verdades se propõe em entregar uma história simples, por isso mesmo o uso da narração in off mostra-se um recurso preguiçoso já de cara. A atuação mais séria de Lázaro Ramos combina com o filme, que apresenta um espécie de investigação arcaica, muito por conta do lugar onde se passa.

As Verdades - Crítica | Confusão proposital 5
Foto: Divulgação Gullane

Os diálogos fracos destoam de momentos imaginativos e que poderiam ter mais ousadia. A trilha também parece não pertencer ao filme que vemos, e não conversa muito com todo o restante.

O que mais se destaca em As Verdades é a atuação de Drica Moraes. Apesar de seu arco ser cercado de obviedades, sua relação com a filha vivida por Bianca Bin e a interação com o policial Josué é repleta de entrega.

Cercado de potencial, é uma pena que a história trave do meio para o fim, gerando um confusão que às vezes parece proposital e buscamdo confundir o espectador. O roteiro tenta trazer algo mais do que simplesmente o clichê do protagonista transtornado, mas acaba se perdendo entre a crueza e o total descaso.


Gostou desse conteúdo? Então nos ajude a manter o site vivo entrando para o Odisseia Club. Seja um apoiador da Odisseia e acompanhe tudo sobre filmes, séries, games, músicas e muito mais.

As Verdades - Crítica | Confusão proposital 6

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous Post
Bastard: Anime heavy metal se destaca na Netflix. Conheça! 10

Bastard: Anime heavy metal se destaca na Netflix. Conheça!

Next Post
17 séries para assistir na Netflix em julho de 2022 11

17 séries para assistir na Netflix em julho de 2022

Related Posts