0

“A Hora da Sua Morte” tem uma premissa inovadora, mas peca ao não saber usar o fator ‘novidade’ ao seu favor, se tornando mais um filme galhofa de demônio.

Corre a boca pequena no meio cinéfilo, que os filmes conceito de terror, só existem porque os filmes galhofas dão dinheiro. Os exemplos são sempre os mesmos: ideias inovadoras e promissoras que se perdem no meio do caminho. Começam bem, mas caem em clichês vistos em inúmeros filmes de terror recentes, além de não valorizar os personagens, que são burros em sua maioria, brincando com a inteligência do espectador.

Depois de “A Forca”, “Verdade ou Desafio”, “A Morte Te Dá Parabéns” e muitos outros, o da vez é “A Hora da Sua Morte”, filme que conta a história de um aplicativo que diz exatamente a hora em que seus usuários vão falecer. No centro da história está a enfermeira Quinn (Elizabeth Lail, a Beck da série “You”), que não vive uma relação boa com o pai e a irmã desde a morte da mãe.

Buscando respostas ela conhece Matt (Jordan Calloway), outro que também baixou o app, e assim como ela está vendo coisas estranhas. Com muito potencial, o filme de Justin Dec (debutante no cinema), começa promissor ao manter o mistério por trás das esquisitas e bizarras mortes, dando um ar da franquia “Premonição” a obra.

Uma pena que personagens secundários desinteressantes, jumpscares horríveis (apesar de um deles ter me pegado de jeito) e uma sensação de filme B constante, deixem tudo com uma cara de uma produção mal feita. Até um sub-texto sobre abuso sexual é jogado porcamente, só para entrar em um dos assuntos do momento.

a hora da sua morte

Apesar de boas atuações de seus protagonistas, “A Hora da Sua Morte” tem um roteiro cheio de obviedades e nem o gore é abusado, trazendo menos sangue do que estamos acostumados. A ideia ousada se torna uma obra sem muita originalidade, até no visual do demônio apresentado, um pastiche de tudo que já vimos antes.

product-image

A Hora da Sua Morte

1

Tiago Cinéfilo
Estudante de Comunicação e editor deste site. Criador, podcaster e editor do "Eu Não Acredito em Nada", o podcast de terror da Odisseia.

Atualize sua playlist com os principais lançamentos de fevereiro

Previous article

Jexi, Um Celular Sem Filtro é um episódio divertido de Black Mirror

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

More in Filmes