AODISSEIA
Colunas

Top 15: Melhores Séries de 2016

30 de dezembro de 2016 - 14:00 - Flávio Pizzol

As séries chegaram chutando a porta em 2016 com produções cinematográficas, retorno de grandes estrelas e sucessos inesperados, então nós não poderíamos perder a chance de escalar a seleção das melhores séries exibidas nesse ano. Para isso, cada membro votou nos seus programas favoritos e um cálculo matemático super complexo (!) estabeleceu os 15 escolhidos da nossa redação, levando em conta apenas episódios exibidos entre janeiro e dezembro desse ano. Com um surpreendente desprezo com as comédias e mais destaques para as produções da Netflix e da HBO, vamos para a lista:

15Person of Interest (por Flávio Pizzol)/The OA (por Tiago Walker)/The Exorcist (por Tiago Walker) (Empate)

Criada pelo reconhecido Jonathan Nolan, Person of Interest chegou ao fim com uma quinta temporada de tirar o fôlego. Foram apenas 13 episódios que entregaram uma trama mais concisa e recheada de ação, comédia e muita ficção científica, lembrando sempre de amarrar todas as piadas colocas no decorrer da série. Uma série divertida e intensa que pode ser um ótimo cartão de visitas antes de Westworld.


Chegando sem muito alarde a Netflix, The OA continua oculta pra muita gente que não está ligada na nova série sensação do momento. Criada por Brit Marling e Zal Batmanglij, The OA vem recheada de mistérios, personagens fortes, muitas perguntas e também respostas satisfatórias. Com certeza merece estar entre as melhores desse ano.


Chegou com desconfiança de muitos por se passar no mesmo universo do clássico de 1973 e poderia muito bem estragar o magnífico filme de William Friedkin, mas pelo contrário, acabou conquistando a crítica e expandindo a história. Uma pena a audiência não corresponder a altura, o que torna os planos de uma segunda temporada improváveis. Ainda tem grandes atuações de Geena DavisHannah Kasulka, Alfonso Herrera e Ben Daniels.

14American Crime Story: People v. O.J Simpson (por Tiago Walker)

Junte Ryan Murphy (Glee, American Horror Story, Scream Queens), um dos maiores showrunners da atualidade, com uma história popular e ainda recente na memória dos americanos, e faça uma das melhores séries do ano. Por mim estaria mais a frente, pena que meus colegas não achem o mesmo. Ainda assim merece lugar na lista com o resgate de atores como John Travolta David Schwimmer (o Ross de Friends) e a consagração de Sarah Paulson ao ganhar seu primeiro Emmy.

13Gilmore Girls (por Izzy)

Nove anos após o final da série, a Netflix nos trouxe de volta a vida de Lorelai e Rory Gilmore para curar a abstinência dessa série tão simples, mas com diálogos tão complexos. One Year In a Life foi muito esperada até mesmo por quem só acompanhava o seriado esporadicamente quando ainda era transmitida por aqui com o nome de “Tal Mãe, Tal Filha”. Por mais que tenha dividido opiniões do público, o que acontece com toda série que ganha um revival se repete: a nostalgia sempre fala muito mais alto do que qualquer outro aspecto da trama. A volta de uma série tão querida é sempre motivo para ganhar espaço na lista do melhores do ano.

12Mr. Robot (por Flávio Pizzol)

Vencedora da nossa lista em 2015, a grande série criada por Sam Esmail entregou uma segunda temporada um pouquinho inferior, mas ainda deixou aquele gostinho de genialidade na boca do público. Cheia de roteiros inteligentes, boas atuações, reviravoltas inesperadas e teorias pela internet, Mr. Robot continua sendo um programa obrigatório na televisão mundial.

11House of Cards (por Felipe Hoffmann)

House of Cards faz parte de um grupo seleto de séries que impõe uma grande atenção aos diálogos, sempre densos e profundos. A quarta temporada veio como um alívio após uma terceira nem tão veloz assim. Frank Underwood teve que dividir, mesmo que a contragosto, os holofotes com Claire e sua popularidade nas alturas, enquanto disputava uma ferrenha campanha política contra um republicano também popular. A próxima temporada promete um clima de decisão e tensão presidencial inexplorados por HoC até o momento. Merece nossa 11ª posição.

10Vikings (por Izzy)

A primeira parte da quarta temporada de Vikings foi até um pouco decepcionante se comparado a qualidade das temporadas anteriores. No entanto, a trama, que deu uma reviravolta surpreendente no final da primeira parte, retornou agora no fim do ano com muito potencial para voltar a ser o seriado ousado que a gente conhece. Com fotografia e cenas (principalmente as de rituais e de lutas) impecáveis, Vikings sempre se mantem como uma boa série.

9The Night Of (por Flávio Pizzol)

A minissérie The Night Of chegou de mansinho na programação da HBO e ganhou o público com uma investigação realista do sistema judiciário americano, partindo de um assassinato cometido supostamente por um jovem descendente de paquistaneses. São dez episódios marcados por um mistério bem conduzido, atuações dignas de aplausos de John Turturro e Riz Ahmed, uma direção magnífica e um final que pode entrar pra história das séries de tribunal.

8Black Mirror (por Tiago Walker)

Isso é muito Black Mirror” é uma das frases do ano e já até se tornou meme depois da última temporada. Black Mirror já vinha sendo uma das melhores séries da atualidade, mas viralizou esse ano por conta da sua chegada á Netflix, com o dobro de episódios e se tornou uma das séries mais amadas da cultura pop. Com episódios abaixo do padrão como Men Against Fire e outros surpreendentes como San Junipero (o melhor), a série teve sua temporada mais “pé no chão” e já estamos ansiosos para a próxima.

7Daredevil (por Flávio Pizzol)

A segunda temporada de Demolidor chegou com a difícil missão de superar sua primeira. Talvez não tenha conseguido, mas fez um ótimo trabalho de desenvolvimento do seu protagonista, manteve o nível das cenas de luta (incluindo mais um plano-sequência de corredor) e apresentou com muito louvor o Justiceiro, interpretado magistralmente por Jon Bernthal. Merece um lugarzinho aqui.

6Narcos (por Flávio Pizzol e Ricardo Savergenini)

A atuação cada vez mais segura de Wagner Moura (ele deu um show), as sequências que misturam realidade e fantasia com perfeição e o roteiro que adaptou os últimos dias de Pablo Escobar sem esgotar o futuro da série são motivos mais do que dignos para colocar Narcos na sexta posição da nossa lista. Uma produção rica que ainda tem um dos melhores episódios do ano no season finale dessa temporada, incluindo a cena mais do que real de perseguição a Don Pablo..

5Luke Cage (por Ricardo Savergenini)

Gosto bastante das séries da Marvel da Netflix, mas eu me apaixonei por Luke Cage. Ela tem todos os elementos que consagraram as outras, mas o que sua grande força está na relação com o lugar onde ele vive e a cultura negra presente ali, incluindo uma trilha sonora mais que linda. Com certeza umas das melhores séries que eu vi esse ano!

4Penny Dreadful (por Flávio Pizzol)

Penny Dreadful foi encerrada repentinamente em sua terceira temporada e deixou os fãs de grandes séries de terror órfãos, mas John Logan fez questão de concluir a saga de Vanessa Ives, Malcolm Murray, John Clare,  Dorian Gray, Ethan Chandler e Victor Frankenstein com episódios quase perfeitos. Textos e atuações magníficos (como Eva Green pode ser esnobada nas premiações?) que merecem entrar para a história da televisão.

3Stranger Things (por Felipe Hoffmann)

Stranger Things veio como um soco de nostalgia com sua ode à década de 80. A série da Netflix é divertida, aterrorizante e sublime, alinhando elementos clássicos da cultura pop com o roteiro clássico do terror. Os irmãos Duffer criaram uma das séries mais comentadas da história, levando consigo uma legião de fãs que se apaixonaram pela obra em poucos episódios. Com todo louvor, ocupa nosso pódio.

2Game of Thrones (por Daniel Pereira)

A sexta temporada da série de maior sucesso atual foi a primeira a se desvincular dos livros de George R.R. Martin, permitindo que Dan Weiss e David Benioff tivessem mais liberdade na condução da história. E que história! Reviravoltas, conspirações, explosões, teorias confirmadas, batalhas espetaculares e, naturalmente, mortes em massa. A temporada desse ano também dá início à conclusão da série – que terá só mais duas temporadas. Isso fica visível com o direcionamento da história: agora não existem tantas tramas paralelas, o Trono de Ferro e o inverno são, mais que nunca, a essência da série.

1Westworld (por Flávio Pizzol)

Não existe nada mais justo do que essa lista ser encerrado com a obra-prima produzida por Jonathan Nolan (olha ele aqui de novo), Lisa Joy e J.J. Abrams para a HBO. Uma série grandiosa e complexa que mobilizou as teorias na teoria mais uma vez, escalou um elenco primoroso, obrigou o público refletir sobre os seus detalhes e reuniu –  com perfeição – ficção científica, faroeste e filosofia. Westworld merece essa posição sem pestanejar, enquanto não volta em 2018.