AODISSEIA
Séries

Séries: Game of Thrones (5ª Temporada)

16 de junho de 2015 - 01:44 - Flávio Pizzol

 

Game of Thrones é uma das mais assistidas do mundo. Parte desse sucesso todo vem junto com a liberdade de roteiro e qualidade de produção que acompanham o selo HBO, entretanto uma boa parte também parte de ter nas Crônicas de Gelo e Fogo um bom material de base para a adaptação. Mas o que acontece agora que a temporada mais polêmica da série chegou ao fim e mais ninguém sabe quais serão os próximos movimentos na guerra pelo trono?

 

A quinta temporada de Game of Thrones é a adaptação conjunta dos quarto e do quinto livro das crônicas escritas por George R. R. Martin, chamados respectivamente Festim dos Corvos e A Dança dos Dragões, com o sexto – e ainda inacabado – livro, que irá se chamar The Winds of Winter. Essa foi uma maneira interessante de trabalhar a temporada, visto que, ao contrário de outros acontecimentos que já tinham sido alterados temporalmente em outras temporadas, os dois últimos livros tratam de acontecimentos simultâneos.

 

Seria interessante ver o que a série conseguiria fazer com menos tramas paralelas para trabalhar, mas, por vários motivos alheios a essa critica, é inviável para uma série abrir mão de vários personagens importantes por uma temporada inteira. É verdade que a série fez isso com Bran Stark, que só vai retornar na vindoura sexta temporada, mas não acho que funcionaria fazer o mesmo movimento com personagens bem mais queridos do público, como Dany, Tyrion e Jon Snow.

 

 

Para o bem e para o mal, o resultado disso foi uma infinidade de histórias paralelas que ainda foram reunidas com prováveis spoilers dos próximos livros. Acredito que esse tenha sido um dos principais motivos para que a série começasse de maneira bem lenta e instável para só depois conseguir selecionar o que seria mais importante e bem desenvolvido. Com isso, alguns plots muito esperados pelos fãs foram subdesenvolvidos em diálogos fracos e infantilizados (sim, eu estou falando de Dorne…) para que outros aparecessem com mais vigor e trouxessem para as telas acontecimentos de tirar o fôlego até a última cena desse ano.

 

E, depois de uma escalada de ótimos episódios no final, como foi completo esse último episódio da temporada. Tudo foi trabalhado na medida para que quase todos apresentassem algum acontecimento chocante e/ou deixassem alguns ganchos que só serão resolvidos daqui um ano. Nessa leva, tivemos, entre outros momentos, Sansa e Theon pulando para o nada, Tyrion assumindo o comando de uma Meereen a beira da guerra civil, Dany cercada por estranhos nada receptivos, Arya ficando cega, Cersei fazendo a caminhada da vergonha que dará um Emmy merecido para Lena Headey e Jon Snow sem saber de nada, literalmente, naquela que foi a cena mais dolorida da série.

 

Entretanto, a temporada que levou o nome das crônicas ao pé da letra ao fazer com que os seus melhores momentos envolvessem gelo ou fogo (dragões e deuses que queimam crianças estão no mesmo saco…), vai ser mais lembrada por ser o ano mais polêmico da série. A cena que, ao ferir o orgulho do movimento feminista, iniciou tudo isso foi o estupro de Sansa após seu casamento com o desgraçado do Ramsay Bolton. O alvo das criticas foi o fato da cena ter sido criada para o simples objetivo de chocar, mas eu fui um dos que defendi a cena pelo grande avanço história que um simples movimento de câmera conseguiu dar para o Theon. No fim, não gostei muito da conclusão que deram para os personagens, mas ainda acho que o intuito da cena fez com que ela fosse menos chocante do que muita coisa já vista na série para gerar esse bafafá todo.

 

 

Um outro argumento usado pelos críticos dessa mesma cena nos leva a outra parte dessa grande polêmica, visto que o estupro não existe no material original. Então a pergunta final seria: até onde os roteiristas tem liberdade para criar coisas novas e para usar os fatos de um livro que ainda não foi lançado, considerando que R. R. Martin não termina o mesmo nem recebendo todo o dinheiro do universo? Será que é justo que os fãs xinguem essas decisões quando elas resultam em cenas chocantes e contraditórias e depois reverenciem os mesmos roteiristas quando eles criam cenas quase antológicas, como o inverno chegando em Durolar?

 

Não foi a melhor temporada de Game of Thrones por conta da instabilidade de algumas histórias e do mau uso de alguns personagens (Bronn, Jamie e, de novo, todos o que apareceram em Dorne), mas eu gostei do caminho desenvolvido e da catarse alcançada no final, mesmo que isso signifique morte de personagens queridos. Ainda assim, retorno às polêmicas só para lembrar que não teremos sexto livro até o lançamento do próximo ano na TV, então lide com as mudanças ou abandone a série, porque certamente o que vier pela frente será spoiler