AODISSEIA
Especial

Odisseia na CCXP: For the Love of Spock

12 de dezembro de 2016 - 09:01 - Flávio Pizzol

Vida longa, eterna e próspera para Spock


A primeira pré-estreia dessa edição aconteceu na sexta com a exibição do documentário For the Love of Spock, lançado mundialmente logo depois pela Netflix. Do jeitinho que trekkers e nerds gostam, esse emocionante longa fala sobre o legado de Star Trek, do nosso tão querido embaixador vulcano e, principalmente, do seu eterno e multifacetado intérprete.

Sob a tutela do filho de Leonard Nimoy, Adam, o documentário deixou de ser apenas uma parte da comemoração de 50 anos do lançamento da série original para se transformar em um belíssimo relato sobre a vida, a carreira e a família do ator após a sua morte. Montado como um documentário padrão de entrevistas, a história vai sendo contada através de entrevistas muito bonitas – e, de certo ponto, íntimas – de William Shatner, J.J Abrams, Simon Pegg, Zachary Quinto, George Takei e tantos nomes que conviveram com Nimoy através desse universo que mudou vidas.

A única coisa que me incomodou um pouquinho foi a existência de um problema muito comum em projetos comandados por familiares: a proximidade entre o diretor e a história. As entrevistas estreladas por Adam e outros membros da família acabam durando mais do que o necessário, a dinâmica fica repetitiva a partir da metade da projeção e os momentos mais complicados (como as separações) são tratados de forma muito rasa. Isso acaba arrastando o andamento da história, mas o final ainda guarda um trunfo poderoso para fisgar o espectador.

Quando a morte surpreendente do ator entra em cena mais uma vez nos últimos minutos e as homenagens de todas as partes do mundo começam a tomar conta da tela, fica quase impossível não derramar uma lágrima sequer. É o tipo de coisa que mexe com as pessoas de formas inexplicáveis e até quem nunca se considerou fã de Star Trek sente um vazio estranho. Ali o aspecto familiar do documentário parece ter o tom certo e Adam Nimoy corta seu último diálogo na hora certa, deixando os créditos soarem ao som de David Bowie.

E, para quem estava no auditório naquele dia, a experiência foi ainda mais forte, já que o próprio Adam Nimoy veio para o evento ao lado do produtor David Zappone. Ver eles falando sobre a convivência com Leonard em suas formas distintas, a forma como Adam largou o direito para se dedicar a direção de episódios da saga, a campanha de arrecadação para o filme realizada no Kickstarter e a relação que o próprio ator tinha com seu personagem mais clássico deixa claro o quanto o documentário é uma mensagem de amor universal e, ao mesmo tempo, tão pessoal. Emociona, diverte e merece ser visto pelo amor por Star Trek, Leonard Nimoy e Spock.