AODISSEIA
Especial

CCXP – O Guia de Sobrevivência Definitivo para Viver o Épico!

Confira nossas dicas para enfrentar essa jornada

27 de novembro de 2017 - 20:18 - Flávio Pizzol

Com a Comic-Con Experience chegando, O Ponto Nerd e A Odisseia se uniram para criarem o verdadeiro guia de sobrevivência pra você se dar bem em um dos maiores eventos de cultura pop do mundo! Está com medo das filas? Não sabe com que tipo de roupa ir? Levar ou não levar comida? Pensando em ir de Cosplay,  mas  está um pouco confuso? Quer organizar seu tempo da melhor maneira possível? Seus problemas acabam nas duas partes (confira a primeira aqui) do nosso especial!

A CCXP vai acontecer entre os dias  7 e 10 de Dezembro, na São Paulo Expo Exhibition & Convention Center(Antigo Imigrantes Exhibition & Convention Center), você pode conferir a localização no Google Maps AQUI.

Os horários exatos dos dias serão:

  • Quinta: 12h às 21h

  • Sexta: 12h às 21h

  • Sábado: 11h às 21h

  • Domingo: 11h às 20h

Os preços dos ingressos serão: Quinta e Sexta – R$ 150,00 meia-entrada / R$ 300,00 inteira; Sábado – esgotado; Domingo – R$ 200,00 meia-entrada / R$ 400,00 inteira

VAMOS A SEGUNDA PARTE DO GUIA!

 

As Filas

Não dá pra falar da CCXP sem falar das imensas filas que comprimem pessoas em espaços minúsculos tanto na área externa quanto lá dentro do evento. E também não adianta reclamar ou fazer textão no Facebook, porque na maior parte das vezes as filas – longas – nem são culpa da organização em si. Eles precisam, teoricamente, arrumar formas de manter o ambiente organizado, dar um jeito das concentrações de fãs alucinados não atrapalharem a movimentação de outras pessoas que pagaram e por aí vai, porém não podem proibir ninguém de formar filas para entrar em auditórios, estandes ou cabines de autógrafos. Ir para a CCXP é sinônimo de enfrentar filas e ponto final!

Dito isso, podemos começar as nossas dicas para enfrentar esse ambiente hostil tão conhecido pelo povo brasileiro.

No lado de fora, os bolsões que ficam no estacionamento começam a encher bem cedo na maior parte dos dias, tendo seus picos no sábado e no domingo graças a existência dos painéis mais disputados (vulgo Marvel, Warner e Netflix). Na quinta, as filas também costumam ser grandes por conta da quantidade de gente que deixa para pegar as credenciais na hora. Se você faz parte desse grupo, chegue cedo ou prepare-se para entrar no pavilhão depois do almoço.

Voltando para o sábado e o domingo, preciso avisar que as pessoas gostam de espalhar aos quatro ventos que é imprescindível dormir na fila e, na minha opinião, o objetivo dessa confusão é assustar as pessoas. Alguns loucos realmente chegam ao local no comecinho da madrugada e realmente garantem os melhores lugares do auditório, mas aqueles que decidem sair por volta das cinco ou seis da manhã também conseguem entrar na maioria das vezes. É óbvio que o rolê é complexo, cansativo e exige certa coragem, mas funciona sem nenhum stress para aqueles que juntarem uma galera (útil na hora de rachar o táxi ou andar a pé sem muitos riscos), levarem um travesseiro e/ou uma blusa de frio que possibilite um belo cochilo e algo divertido para passar o restante do tempo.

 

 

Nesse último caso, minha dica é que a brincadeira possa envolver outras pessoas. Eu levei um baralho nos últimos anos e acabei envolvido em partidas de truco e Uno que resultaram em amizades e boas discussões nerds. Uma experiência inesperada e muito valiosa que pode facilitar o drama de enfrentar uma fila.

Já na parte interna da feira, as dicas acabam se misturando com outras tantas que já apareceram ou irão aparecer nessa lista. Esteja com um calçado confortável, tenha alguma coisa pra comer e aproveite o tempo parado para conversar, se divertir ou fazer amizades. Todos que estão ali gostam da mesma coisa que você estão para conferir a mesma atração, então trocar uma ideia pode ser muito melhor do que ficar reclamando de algo que não vai mudar.

E só pra encerrar, eu tenho mais um recado/questionamento para quem ama reclamar das filas: se você espera horas no banco pra pagar um maldito boleto, porque não pode esperar alguns minutos – ás vezes são horas, admito – para pular heroicamente na ativação de Assassin’s Creed?

 

São Paulo, dezembro de 2016. Comic Con Experience 2016, na São Paulo Expo. FOTOS: Flavio Bataiolla/Galpão de Imagens

A Organização do Tempo

Outra regra de ouro que garante um grande espaço no manual de qualquer visitante é aquela que diz ser impossível – guarde essa palavra – fazer/conhecer tudo na CCXP. São muitos e assustadores metros quadrados de estandes, quadrinhos, autógrafos, Artist’s Alley (uma preciosidade que merece ser visitada), ativações exclusivas, lojas, brincadeiras e painéis que deixaram você, caro leitor, completamente louco e perdido no universo nerd. Se essa for a sua primeira vez então, nem preciso comentar…

A realidade é que o evento e seus colaboradores promovem inúmeras atividades que vão acabar chamando a sua atenção de alguma forma. Sendo esse um fato indiscutível, a melhor coisa que você pode fazer é tentar organizar seu tempo. Olhe a programação, baixe o aplicativo que costuma ser liberado na semana do evento, confira o mapa entregue na entrada, separe suas prioridade – dependendo da quantidade de dias adquiridos e do seu gosto, obviamente – e organize o seu tempo ao máximo contando com as famigeradas filas citadas acima. Vá aos seus pontos favoritos primeiro, faça aquilo que pode se arrepender de não ter feito quando os portões fecharem e seja feliz.

 

O Dinheiro

O assunto continua em uma zona muito pessoal quando o tema é grana, mas eu já vou deixar avisado que é praticamente impossível entrar no mundo épico da CCXP e passar os quatro dias sem gastar nada. Pode ser alguma coisa pra comer, uma água mineral, um autógrafo ou até um chaveirinho de lembrancinha, mas você vai acabar deixando suas ricas moedinhas no caixa-forte de alguém até o fim do evento. E, acredite, isso também é um fato.

Nesse caso, a dica do nosso guia é fazer um controle básico do quanto você pode gastar, refletir sobre a sua sobrevivência durante o período completo, separar uma quantidade fixa para cada dia e não abrir mão dela, olhar todas as opções e procurar algumas promoções (a Panini, por exemplo, sempre está cheia dos descontos loucos) e, acima de tudo, pensar duas vezes antes de comprar instantaneamente algo que fez seus olhos brilharem. Inclusive, as chances de você gastar muito em algo e acabar se arrependendo é grande, principalmente depois que você virar a esquina e achar algo ainda mais legal.

A CCXP tem muitos estandes e lojas cheios de produtos incríveis – a maioria deles são caros – e você precisa se controlar, caso não queira sair gastando de forma adoidada ou sair falido. E pode acreditar mais uma vez, porque eu estou falando isso como alguém que chegou muito perto desse lugar sombrio, e vai precisar seguir suas regras com mais firmeza nesse ano.

 

A Comida

Já vou começar esse tópico com outro fato indiscutível: a alimentação na CCXP é muito cara, pouco saudável e um tanto quanto escassa em algumas regiões. Em outras palavras, os trailers que formam a praça de alimentação são focados em fast food, ficam bastante cheios (mais uma fila pra conta) e cobram o olho da cara por qualquer porcaria que você resolver comer. E isso é para quem está apenas perambulando pela feira, porque quem está preso ao auditório – sair significa perder o lugar para quem não conhece – precisa sobreviver com aquilo que for disponibilizado pela bomboniere do Cinemark. No ano passado, isso era sinônimo de doces, pães de queijo, pipocas e cachorros-quente sem recheio que estavam ainda mais caros do que nos shoppings da vida.

Considerando todos esses fatores, nossa dica é apenas que você vá preparado. Se fizer a linha fitness, leve suas “marmitas”. Se você for ficar no auditório, leve muito dinheiro ou seu próprio estoque de guloseimas (minha mochila vai cheia de biscoitos, por exemplo). E, mesmo que você vá só andar pelos estandes, vale levar alguns lanches de casa – ou do hotel – para evitar gastos, filas e calorias enormes em meio a busca quase impossível por uma mesa para sentar.

 

O Cosplay

Além de tudo isso, a CCXP é a casa dos melhores cosplayers do Brasil, incluindo desde do concurso principal – com inscrições já finalizadas – até os diversos personagens, trabalhados e zueiros, que ficam passeando pelos corredores. No entanto, se você está pensando em fazer parte dessa galera da pesada que faz a alegria de muitas pessoas, é bom prestar atenção em algumas dicas e regras fornecidas pelo próprio evento.

Pra começar, os cosplayers possuem uma entrada especial com suas próprias filas e um processo de revista que visa garantir a segurança do evento. De acordo com o manual divulgado pela organização, as pessoas não podem entrar com qualquer elemento que possa causar danos a terceiros, sendo que armas falsas e afins não podem conter pontas ou lados afiados e precisam ser feitas de materiais leves (papelão, espuma, plástico fino e madeira balsa). Até mesmo as armas de Nerf e Airsoft serão revistadas e só serão permitidas caso estejam sem nenhuma munição e devidamente sinalizada com a ponta laranja.

Depois de todo esse processo que eu não conheço com todos os detalhes, você vai estar dentro do evento e pronto para aproveitar diversas atividades voltadas para os cosplayers. A principal delas é a disponibilização de um camarim onde os artistas em questão podem terminar de se arrumar, trocar de roupa ou dar um retoque na maquiagem com a ajuda de funcionários da própria CCXP. E isso sem falar nas diversas paradas que ocupam os corredores, nos convidados voltados exatamente para esse público e até alguns workshops.

Em outras palavras, você só precisa tomar certas precauções e aproveitar um mundo de possibilidades no universo do cosplay.


OBS 1: Repetindo, a outra parte desse Guia do Mochileiro das CCXP’s está no site do O Ponto Nerd, e pode ser acessado por aqui.

OBS 2: Confira também dois incríveis posts sobre o Artist’s Alley aqui e aqui.