AODISSEIA
Especial

Especial: O Futuro da Marvel na Netflix

25 de novembro de 2015 - 15:00 - Flávio Pizzol

O que nos espera em Luke Cage?

O fim da primeira temporada de Jessica Jones já preparou o caminho para a segunda temporada da heroína e também mostrou que essa parceria entre Marvel e Netflix pode gerar grandes programas. O próximo da lista de adaptações é Luke Cage, mas nós sabemos muito pouco sobre o show, mesmo com algumas fotos e notícias sendo liberadas. Então só nos resta fazer uma coisa: especular.

Para quem não conhece, Luke nasceu no Harlem e fez parte de uma gangue durante boa parte da sua adolescência. Depois de se envolver com Reva (que já apareceu em Jessica Jones), ele é traído por seu melhor amigo, vai para a prisão e acaba aceitando fazer parte de um projeto científico derivado do soro que criou o Capitão América. Entretanto, o processo é sabotado por um guarda e ele acaba ganhando a superforça e a pela impenetrável.

Tudo isso deve ser abordado de alguma forma na sua série-solo, mas o que mais mexeu com minha cabeça foi o fato dele ter tido grande participação em Jessica Jones. Claro que isso era esperado, já que ele casa com a detetive particular, no entanto ele foi muito mais importante para a trama dela do que eu esperava. Isso me levou a uma pergunta: onde a sua série individual vai se encaixar nessa linha do tempo.

A primeira opção é que tudo se passe antes dele conhecer Jessica Jones, abordando sua vida normal, o relacionamento com Reva, a prisão e quem sabe seu passado como Herói de Aluguel, algo que abriria espaço para uma possível apresentação do Punho de Ferro. Entretanto, existe uma probabilidade muito maior seguir o mesmo estilo de narrativa quebrada que as suas antecessoras, trabalhando esse passado em pequenos flashbacks espalhados pelos 13 episódios.

Outra coisa que pesa contra essa opção é que Parisa Fitz-Henley, a atriz que interpretou Reva não está aparecendo nas últimas notícias sobre a série. Da mesma forma, o Punho de Ferro ainda é uma grande incógnita tanto em questão de produção quanto em quem seria o interprete perfeito para essa interessante mistura entre magia e artes marciais.

A segunda opção é ainda mais improvável, mas como o objetivo desse post é pensar nas possibilidades e não excluí-las, podemos pensar em uma situação hipotética onde a primeira temporada estrelada por Mike Colter se passaria durante a temporada de Jessica Jones. Pensando que ele não aparece em todos os episódios, poderíamos sugerir que existe uma história para preencher essas lacunas?

Eu acho que isso é possível, mas pode encontrar um problema na quantidade de história a ser contada, nas fotos que não mostram Luke trabalhando no bar e, principalmente, o fato de que isso faria com que o desenvolvimento do herói tivesse que estar intimamente ligado ao vilão de Jessica Jones, Kilgrave. Não vou contar mais para não dar spoiler, mas também devo dizer que gostaria muito de ver um pouco mais de David Tennant.

E para finalizar temos o desenvolvimento que eu acredito que será utilizado. Aqui, considerando que Luke não está com Jessica no final da temporada de estréia da moça, imagino uma temporada que se passaria depois de tudo aquilo sem abrir mão de explorar o passado através dos flashbacks. De certa forma, essa seria uma saída óbvia que tornaria esse post um pouco inútil, mas nós sempre podemos pensar no futuro.

Nesse caso, na sua temporada, Luke Cage estaria tentando reconstruir sua vida na tal barbearia da foto, enquanto fugiria de um passado que provavelmente será o amigo traidor ou o seu irmão com quem ele também mantém uma relação conturbada. E se passar no futuro não seria um impedimento propriamente dito para mudarem a ordem das história e o colocarem para trabalhar como um herói de aluguel, já que sua participação em Jessica Jones deixa subentendido que ele nunca atuou dessa forma.

Outra coisa que corrobora essas possibilidades é a confirmação da atriz brasileira Sônia Braga na série, interpretando a mãe da enfermeira Claire Temple (Rosario Dawson), que teve seu primeiro encontro com Luke na temporada de Jessica Jones. E a aparição da mãe nos leva a entender que Claire deve ter muito mais espaço do que nas séries anteriores e quem sabe até estender essa participação a um romance que já aconteceu nos quadrinhos.

Mas ao mesmo tempo, eu também tenho que acreditar que alguma treta vai surgir daí e as reviravoltas vão levar Luke de volta para Jessica para que os dois possam fortalecer o relacionamento que – querendo ou não – vai chegar a um casamento e a uma gravidez que tem sua importância dentro do Universo Marvel, incluindo uma conexão com a Guerra Civil que não deve acontecer.

NO fim das contas, eu realmente acho que são muitas possibilidades que podem ser resolvidas e modificadas até a estréia da temporada no primeiro semestre de 2016. Mesmo assim, independente do caminho que for seguido pelos produtores de Luke Cage, liderados por Cheo Hodari Coker (Ray Donovan), eu realmente acredito que esse futuro vai ser muito bom e vai mostrar toda a força do universo urbano e adulto da Marvel.