AODISSEIA
Filmes

Viagem no Tempo: Gremlins (1984)

31 de dezembro de 2013 - 13:48 - Flávio Pizzol

MV5BMTU4Njk2MzU4Ml5BMl5BanBnXkFtZTYwNjE1MTg4._V1_SX640_SY720_

Gremlins (1984) é o filme de Natal mais gore de todos os tempo. Uma comédia de horror (gênero recorrente na década de 80) que tem um humor extremamente peculiar, sustos, suspense e sangue (podemos até dizer que o filme é trash). Mesmo que em alguns momentos o último não seja sequer mostrado, ele está lá sempre, já que temos muitas mortes entre humanos e gremlins. Um bom filme para se ver no Natal.

O filme, produzido por Steven Spielberg, começa com um inventor procurando um presente para seu filho em Chinatown. Ele encontra um Mogwai, um bichinho chinês muito fofinho, mas o seu dono não queria vendê-lo. Contra a vontade do avô, seu neto vende o bichinho e explica as três regras para se criar um mogwai: 1) Ele não suporte luzes fortes. A luz do sol é fatal para o mesmo; 2) Nunca o molhe; 3) Nunca o alimente após a meia noite, mesmo que ele lhe implore.

Obviamente as regras vão ser quebradas e os monstrinhos, que aparecem depois que os mogwais passam por uma espécie de metamorfose, dominam a cidade na véspera de Natal.

MV5BMjI4MjY3NTM0MF5BMl5BanBnXkFtZTcwNDI1NTkwNw@@._V1_SX640_SY720_

Acima de tudo, mesmo com o sangue, o terror e o ar de filme B, Gremlins é um filme familiar. Um filme de Natal. Essa é a grande diferença do filme para outros exemplares famosos do gênero, como A Morte do Demônio (ou Uma Noite Alucinante…). Acima do sangue está uma comédia simples e familiar. Talvez seja um dos principais motivos para o filme ser tão adorado e aclamado.

Por ter gostado de trabalhos anteriores do diretor Joe Dante, Spielberg mexeu alguns “pauzinhos” e levou o moço para a Warner, onde lhe entregou um roteiro escrito por Chris Columbus (o mesmo que dirigiu os primeiros filmes de Harry Potter) que brincava com uma lenda de “bichinhos verdes” que destruíam as aeronaves durante a Segunda Guerra Mundial. Inclusive esse mito foi incluído no filme.

O roteiro de Columbus é simples e acerta ao incluir terror e muito humor negro em um filme infantil. A história é básica e clichê, entretanto não perde sua magia, mesmo com o avanço tecnológico dos dias de hoje. Não tem como não odiar o Listrado com seu visual estranho, não se apaixonar pelo fofinho Gizmo ou não torcer pelos protagonistas, mesmo que esses não sejam tão bem interpretados.

MV5BOTAyMjIzNjY4OV5BMl5BanBnXkFtZTcwNzI1NTkwNw@@._V1_SX640_SY720_

A direção é mais simples ainda, mas sabe brincar com o que tem em mãos. Dante sabe brincar com o medo do espectador e usa isso a seu favor. A direção é simples, mas não deve ter sido fácil, principalmente por causa das marionetes usadas para dar vida aos Gremlins. Ainda assim, toda a produção funciona e criar uma obra trash mágica e inesquecível.

Como em todo filme trash, a projeção tem alguns problemas de edição (alguns cortes são medíocres e toscos) e os efeitos especiais são deixados em segundo plano (lembrem-se que os monstrinhos são marionetes). As explosões, a destruição da cidade e os momentos gore são extremamente artesanais e simples.

MV5BMjMxOTg1NzE3MF5BMl5BanBnXkFtZTcwNjI1NTkwNw@@._V1_SX640_SY720_

No campo das atuações, o grande destaque é o veterano Hoyt Axton, que faz o inventor atrapalhado pai do protagonista. Grande parte das suas cenas foram improvisadas e seu personagem é o mais consistente e divertido do filme. O restante pode ser facilmente descartado, afinal Gremlins é um filme B e não exige grandes atores ou sublimes atuações.

Um filme mágico e divertido que garantiu no coração dos jovens das décadas de 80 e 90 pelo seu humor divertido e seu horror feito de uma maneira diferente. Acreditem quando digo que Gremlins é um filme cativante que a geração atual deveria conhecer e se apaixonar.