AODISSEIA
Colunas

Coluna Vertebral #25

14 de Março de 2016 - 11:00 - felipehoffmann

Mais uma semana chegou e com ela mais uma Coluna Vertebral. Após um tempo longe, estou voltando e essa semana com filmes hypados. Então chega de papo e vamos para coluna.


teaser-one-sheet

FF7_Brazil_Online_1Sht_0

A-BRuxa

 

 


Deadpool

Apesar de todo barulho que Deadpool fez, eu estava com pé atrás para vê-lo. Simplesmente pelo fato de não ser o maior fã das HQ da Marvel, mas graças a Deus eu me enganei dessa vez porque é muito bom.

Outros temores que eu tinha eram aquele primeiro Deadpool que apareceu no filme solo do Wolverine e o Ryan Reynolds ter uma atuação igual a de Lanterna Verde. O primeiro virou piada nesse longa e o Ryan Reynolds encarnou o mercenário das histórias de forma incrível.

Ao contrário de algumas pessoas, eu achei que as piadas não foram exageradas, até porque eu ri da maioria e as que eu não ri foi porque eu não tenho o background da cultura americana. Além de Reynolds, Morena Baccarin manda muito bem como par de Wade (como não amar essa mulher?).

Deadpool superou todas minhas expectativas e eu espero que a sequência seja melhor ainda que a primeira parte.


Velozes e Furiosos 7

Eu definitivamente assisti esse filme na época errada. Ele sem aquela aquela parada recente do Paul Walker ficou muito (pra mim, é claro) fraco.

O Toretto (Vin Diesel) tá sem graça e quando você tem o Jason Statham como vilão, algo melhor poderia ter sido feito. O que me segurou pra vê-lo até o final foi pra ver a homenagem para o Paul e, aí sim, uma lágrima desceu.

Velozes e furiosos 7 me deixou com um sentimento de poderia ser melhor, isso se deve muito ao fato de gostar mais de quando eles só faziam corridas clandestinas. Mas apesar de todos esses pontos, eu não ia deixar de prestigiar a franquia que eu acompanho desde pequeno.


A Bruxa

Que eu não sou fã do gênero terror não é segredo, mas quando um filme tem uma repercussão rápida e depois de ler cada coisa sobre ele, não tive outra escolha a não ser assisti-lo no cinema.

Já estava com medo antes da seção começar e quando acabou, saí horrorizado. O filme é sensacional. Mesmo sem ter cenas de susto, ele instaura um sensação pesada em quem assiste. Um ponto que eu gostei muito é a sugestão, após o término, fiquei discutindo mais de uma hora sobre o que uma cena quis dizer ou que o diretor pensou em uma outra cena.

As atuações são excelentes. O elenco faz um ótimo trabalho, em especial Anya Taylor-Joy e Harvey Scrimshaw. O balaço entre o silêncio sepulcral e as música que se parecem mais com gritos ajudam na criação de uma atmosfera aterrorizante.

Muitas coisas ainda podem ser ditas sobre A bruxa, a semelhança com O Iluminado é uma delas, mas acima de tudo, que é um filme que vai na contramão do atual modelo de terror e isso que mais me encantou.