AODISSEIA
Especial

As melhores coisas que vimos essa semana #5

23 de julho de 2017 - 15:14 - felipehoffmann
Mais Girl Power, por favor!

Depois do sucesso de Mulher Maravilha, o Huffpost fez uma lista com outras heroínas das HQs que mereciam ganhar uma adaptação para os cinemas. Tem Feiticeira Escarlate, Faith, Thor Girl e até a famosa Buffy. Olha só.

 

The Handmaids’s Tale e a porrada na cara da TV

O excelente texto de Luide, do site Amigos do Forum, fala um pouco sobre a incrível produção da Hulu “The Handmaids’s Tale, uma série toda escrita por mulheres em um universo de mulheres sem nenhum direito social. Por sinal, já falamos sobre a série no nosso Podseia de séries desconhecidas que todo mundo deveria conhecer.

 

Hollywood tem o sucesso, mas falta a igualdade

Gal Gadot recebeu apenas 2% do que recebeu Henry Cavill para fazer seu papel em “Mulher Maravilha”. A absurda disparidade salarial é tema recorrente nas produções americanas. Recentemente, Robin Wright, estrela de House of Cards teria exigido que seu salário se equiparasse ao de Kevin Space na série. Teve aumento, mas não foi igual. Olha essa revoltante lista sobre as diferentes cifras de homens e mulheres.

 

SE NÃO TIVER O PÉ DE PANO O BICHO VAI PEGAR!

Vocês viram que vai rolar um filme live action do Pica-Pau, com Thaila Ayala no elenco. Mas por lá o desenho, apesar de fazer um pouco de sucesso, não é a febre que é/foi aqui no Brasil. Por isso, o filme do Zé Colmeia que voa será lançado apenas nos cinemas brasileiros.

 

Por uma indústria de games mais barata por aqui

O xará Felipe Demartini, do excelente NGP, fez uma matéria bem bacana falando um pouco mais do estudante brasileiro Kenji Kikuchi, 18, e seu projeto de lei que visa reduzir os preços dos jogos aqui no Brasil. O texto fala do projeto de Kikuchi, cita exemplos de referências onde funcionou a iniciativa e até tenta um contato com o senado responsável. Vamos torcer!

 

Fondue de Coxinha é mais velho que poderíamos imaginar

Caio Barbosa foi atrás da verdadeira origem da coxinha banhada no paraíso. O texto bem humorado conta a história de Mariana Rezende e sua fascinante história do surgimento do fondue original. É pra chorar de rir e encher a boca d’água, claro.